Juiz dos EUA nega pedido de análise cientifica do glifosato

"Isso é uma perda maciça para a ciência", diz especialista

| AGROLINK


A Bayer e seus advogados entraram com um pedido para que o Glifosato seja analisado por uma iniciação científica, fiscalizada por um tribunal, e financiada pela própria empresa, a fim de evitar transtornos futuros e alegações de que o princípio ativo cause câncer. De acordo com a empresa, não existem bases científicas que confirmem a carcinogenicidade do produto e essa iniciação serviria para elucidar a questão. 

 
De acordo com Joseph Annotti, que é o presidente e CEO do Center for Truth in Science, no entanto, o juiz responsável pelo caso não permitiu que a iniciativa fosse adiante, dizendo que os juris são capazes de tomar esse tipo de decisão. “Isso é uma perda maciça para a ciência e para aqueles que respeitam a experiência nos tribunais e na opinião pública. A decisão tem o potencial de elevar a emoção sobre as evidências objetivas no tribunal, um movimento que coloca empresas e consumidores com reivindicações legítimas no limbo e a critério de viés”, disse ele. 

 
“E apenas proliferará o sistema de ‘justiça jackpot’ de ações coletivas que entopem os tribunais, forçando as empresas a pagar bilhões de dólares em acordos por reivindicações que não são apoiadas por evidências científicas (a maioria delas vai para um grande número de grandes escritórios de advocacia ) e aumentar os preços de inúmeros produtos domésticos para os consumidores”, completa. 

 
Ele finaliza dizendo que as decisões importantes relacionadas à saúde da população devem ser apoiadas por vieses científicos. “Precisamos voltar ao básico - empregar o bom senso na ciência, examinar evidências objetivas e confiar nos blocos de construção fundamentais que nos foram ensinados quando crianças”, conclui. 

 
ANÚNCIOS QUE PODEM LHE INTERESSAR



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE