Bugatti começa a entregar o supercarro Divo de R$ 30 milhões

Modelo é versão mais leve e ágil do Chiron e teve chassi e aerodinâmica retrabalhados. Divo mantém motor W16 de 1.500 cv

| JORNAL DO CARRO / REDAçãO:


Visual foi refeito para melhorar aerodinâmica / Crédito: Bugatti/Divulgação

A Bugatti inciou as entregas das primeiras unidades do Divo, a versão ainda mais poderosa do Chiron. O modelo foi apresentado em 2018 como conceito e a criação foi a pedido dos próprios clientes da marca. Segundo a Bugatti, alguns compradores demonstraram interesse por um modelo mais ágil e melhor nas curvas.

CURTA O CANAL DO JORNAL DO CARRO NO YOUTUBE

O visual, feito sobre o Chiron, levou alguns meses para ficar pronto e foi prontamente aprovado. O primeiro protótipo funcional saiu às ruas apenas um ano depois do início do projeto. O modelo foi testado por cerca de 5 mil quilômetros e a velocidades de até 380 km/h. Os engenheiros trabalharam para afinar o acerto de suspensão e do chassi do Divo.

O modelo ficou 35 kg mais leve que o Chiron original, graças a rodas mais leves. A cobertura do intercooler é de fibra de carbono e o sistema de som também ficou mais leve. O Divo também tem menos isolamento acústivo e menos porta-objetos na cabine.

A nova aerodinâmica também foi trabalhada para entregar 90 kg a mais de downforce no Divo. Isso faz o superesportivo ficar ainda mais plantado no chão em velocidades elevadas.

O motor W16 de 8,0 litros e quatro turbos se manteve inalterado. Ele entrega 1.500 cv e permite ao modelo uma velocidade máxima de 380 km/h limitados eletronicamente.

Foram 40 unidades produzidas, todas já vendidas desde o início do projeto. Segundo o CEO da Bugatti, Stephan Winkelmann, “o Divo tem desenho e performance bem diferentes do Chiron”. O executivo exalta as qualidades do modelo e relembra a tradição de “encarroçadora” de luxo da Bugatti dos anos passados.

Cada unidade foi vendida por 5 milhões de euros, cercad de R$ 30 milhões em conversão direta.

Veja todas as condições especiais