Hospital da Vida: Médicos querem instalar portão e impedir outros funcionários de usar estacionamento

| FOLHA DE DOURADOS


Franklin Schmalz –

Chegou à Folha de Dourados a informação de uma iniciativa da ala médica do Hospital da Vida para a instalação de um portão eletrônico, visando limitar o acesso do estacionamento apenas aos médicos. Já teria sido feito, inclusive, um orçamento, totalizando R$ 4.800,00 para ser rateado entre o corpo clínico interessado.

A iniciativa tem causado indignação nos demais trabalhadores e trabalhadoras do hospital, que estão denunciando a ação como uma tentativa de usurpar o espaço público e privilegiar a classe médica.

Contatada pela Folha de Dourados, a direção da FUNSAUD (Fundação de Serviços de Saúde de Dourados) alegou que a ideia de instalar o portão teria partido da gerência do hospital junto do diretor-presidente da fundação. Questionada sobre a restrição do acesso ao estacionamento apenas para a ala médica, a direção informou que essa não seria a intenção, e que pretendia-se apenas controlar a entrada e saída de pessoas como uma medida de segurança. Por fim, a direção declarou que, diante da repercussão do tema, descartou a instalação até que haja uma nova avaliação da situação.

Hoje, o Fórum de Trabalhadores do Conselho Municipal de Saúde se reuniu para discutir o tema e definir encaminhamentos. Um representante encaminhou o seguinte posicionamento: “O segmento fórum dos trabalhadores do Conselho Municipal de Saúde, em reunião com os trabalhadores e trabalhadoras do Hospital da Vida e membro do Conselho Curador, encaminharão ata ao colegiado do CMS, dando ciência e solicitando apuração de responsabilidades pela usurpação do espaço público.”

É importante reconhecer que existem vários funcionários essenciais para a saúde além dos médicos, incluindo uma maioria de servidores e empregados terceirizados, como profissionais da enfermagem, limpeza, apoio administrativo, segurança, entre outros.

Por fim, o Hospital da Vida é uma instituição pública administrada pela Prefeitura de Dourados, através da FUNSAUD, e qualquer medida ou decisão como esta precisa seguir a legislação vigente e os princípios da administração pública, entre eles, a impessoalidade.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE