O Colorado deixou tudo o que podia em campo, mas sentiu a falta de ritmo e acabou derrotado

Apesar do revés, o Inter ainda tem chance de garantir a vaga para os playoffs do torneio

| FUTEBOL INTERIOR


Belgrano vence o Inter

 Internacional perde para o Belgrano em seu retorno aos gramado com a camisa em alusão às enchentes

Exato um mês depois de seu último compromisso, o Internacional voltou a campo com um uniforme com referência às enchentes que resultaram em uma das maiores tragédias de Porto Alegre. Sentindo o ritmo de jogo , o time gaúcho até fez uma boa partida, mas acabou sendo derrotado pelo Belgrano-ARG por 2 a 1, nesta terça-feira, na Arena Barueri, pela sexta rodada da Copa Sul-Americana

O Internacional, que realizou a preparação para o jogo em Itu, teve auxílio de Leila Pereira, presidente do Palmeiras, que arcou com os custos da Arena Barueri. O estádio vem sendo gerido por uma empresa da dirigente para deixá-lo em condições de receber partidas do Palmeiras. 

Apesar de entrar em campo, o Inter não pôde deixar de mencionar a luta do povo gaúcho e, por isso, foi a campo com um uniforme com detalhes em lama.  Este uniforme representa a luta de um povo incansável, aguerrido e esperançoso. E, também, o esforço de voluntários de todo o país, que entraram nas águas, na lama e na vida de muitas cidades com amor e solidariedade jamais vistas. Hoje jogamos com uma camiseta diferente, não apenas como manifesto de uma causa, mas como um pedido de ajuda', disse o clube em nota.

Com o resultado, o Belgrano se garantiu nas oitavas de final da Sul-Americana ao confirmar a primeira posição do Grupo C, com 12 pontos. O Internacional é o terceiro, com cinco, já o Delfín-EQU, em segundo, tem oito. O Real Tomayapo-BOL é o quarto, com um.

O Inter entrou em campo com ‘sangue nos olhos’ e tentou sufocar o Belgrano, que buscou frear a empolgação do rival. O time gaúcho passou a buscar as jogadas em velocidade, principalmente com Wesley, mas a defesa do time argentino não deu muitas brechas.

Na única falha do Belgrano, o Inter chegou ao gol.  Wesley recebeu de Renê e cruzou rasteiro para Borré. O atacante só teve o trabalho de tocar para o gol. Mas o time argentino abriu mão de se defender e empatou aos 44. Chavarría pegou o rebote, após Robert Renan tirar em cima da linha, e soltou o pé para marcar.

O Inter sofreu um ‘apagão’ e deixou o Belgrano virar o duelo. Aos 47, Robert Renan tentou fazer o corte, mas falhou. A bola sobrou para Chavarría, que, livre de marcação, cabeceou com categoria para superar Rochet.

O segundo tempo foi mais devagar. Em vantagem, o time argentino recuou e praticamente não saiu para o ataque, anulando os espaços do Inter. Sem conseguir fazer a infiltração, o time colorado foi ameaçar apenas aos 24. Alan Patrick cobrou falta venenosa e jogou rente à trave.

O técnico Eduardo Coudet abriu mão de seu sistema defensivo, deixou o Inter com quatro atacantes com a entrada de Alario, e ainda tirou um lateral para colocar Bruno Henrique. O time foi para o ataque, mas não conseguiu impedir a derrota.

Rochet; Bustos (Bruno Henrique), Vitão, Robert Renan (Aránguiz) e Renê; Fernando (Alario), Maurício (Gustavo Prado), Wesley e Alan Patrick; Borré e Valencia

Losada; Matías Moreno, Rébola, Baldi (Delgado) e Barinaga; Heredia, Quignón, G. Metilli (Lencioni) e Reyna; J. Velázquez (Troilo) e Chavarría (Matías Suárez).



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE