Ainda sem vendas de destaques, Fluminense vai fechar 2023 com receita recorde em série histórica

Diretoria tricolor calcula que arrecadação atinja pelo menos R$ 450 milhões na temporada de título inédito da Libertadores. Premiações, número de sócios e bilheteria alavancam receitas

| GLOBOESPORTE.COM / RAPHAEL ZARKO


Campeão da Libertadores de 2023, o Fluminense calcula que vai fechar a temporada com a maior arrecadação da sua história recente. As receitas devem bater pelo menos R$ 450 milhões, estima a diretoria tricolor. O que significa cerca de R$ 100 milhões a mais em relação ao ano passado e também sobre o que próprio clube calculou no orçamento aprovado para a temporada 2023.

O número vai aumentar. Isto, claro, pela participação do Fluminense no Mundial de Clubes - com prêmios que variam entre R$ 10 milhões e R$ 25 milhões. E também com a possível e provável venda de atletas - existe disputa pelo volante André e pelo zagueiro Nino. Mas neste caso, é claro, vai depender de qual período a venda seria contabilizada - se no exercício de 2023 ou somente em 2024.

No ano passado, o Tricolor arrecadou cerca de R$ 340 milhões. Na ocasião, a oitava maior arrecadação do futebol brasileiro. Caso os patamares anteriores sejam mantidos no topo dessa lista, é possível que o Fluminense se aproxime do top 5 de arrecadação do país .

Muito graças ao que conseguiu pela participação na Libertadores da América - mas também pelo aumento do número de sócios (70 mil em dia) e por ganhos com bilheteria. Somente na conquista continental inédita de 2023, o Tricolor arrecadou US$ 27,15 milhões (cerca de R$ 136 milhões) ao longo da competição. A premiação da Libertadores teve crescimento de 21%.

O Fluminense ainda vive expectativa de fechar o Brasileiro mais próximo das primeiras posições. Em 2022, foram R$ 40,5 milhões de premiação do campeonato nacional pela terceira posição. Hoje na sétima posição, o Tricolor ficaria com pouco mais de R$ 30 milhões, mas o objetivo é subir na tabela para arrecadar mais - hoje são seis pontos de diferença para Bragantino (6º lugar) e Grêmio (5º).

Ao mesmo tempo que aumenta arrecadação, existe preocupação no Tricolor com as dívidas - próxima dos R$ 800 milhões, segundo balanço de 2022. Como o ge contou no perfil publicado sobre o presidente Mário Bittencourt antes da decisão da Libertadores, o Tricolor tem débitos com diversos fornecedores do centro de treinamento e do Maracanã.