Após um ano de implementação, cadastro de raça permite mapeamento da advocacia

| ASSESSORIA


A Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso do Sul (OAB/MS) é uma das poucas Seccionais de todo o país a implementar, em seu sistema, a autodeclaração de raça no formulário de inscrição da advocacia.

Em um ano de inserção do preenchimento do quesito raça/cor foram computados 101 advogados (as) que se autodeclaram pretos e 234 advogados (as) que de autodeclaram pardos nos quadros da entidade.

A solicitação de implementação do cadastro de autodeclaração étnico-racial foi uma das primeiras ações da Comissão da Igualdade Racial. “Assim que assumimos a Comissão em fevereiro de 2019, surgiu à necessidade de uma organização interna para projetar ações futuras, e para isso era necessário sabermos onde estão os advogados pretos e pretas do nosso Estado. Com esse mapeamento será possível pensar em estratégias de enfrentamento ao racismo estrutural e institucional que assola não só o Estado, mas também o país”, explicou a Presidente da COMIR, Silvia Constantino.

O Presidente da OAB/MS Mansour Elias Karmouche ressaltou que “Mato Grosso do Sul está na vanguarda na implementação do preenchimento do quesito raça/cor. Essa inclusão no sistema não traz apenas um cenário étnico e racial para subsidiar o planejamento de ações da Comissão, mas vai ao encontro de demanda da sociedade, que está cada vez mais preocupada em promover políticas que levem em conta as necessidades dos diferentes grupos populacionais”.

Assim como o quesito etnia, a OAB/MS também inseriu, nos últimos anos, a autodeclaração ‘doador de órgãos’ e ‘deficiência física’.

 



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE