Diretor do DOF participará de Audiência Pública promovida pela Câmara dos Deputados

Encontro reunirá diversas autoridades do país que irão discutir sobre a Política Nacional de Enfrentamento aos Crimes Transfronteiriços

| DOF


Coronel Rozeni durante cerimônia de 36 anos de criação do DOF. Divulgação

O Diretor do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) Coronel Everson Antônio Rozeni, irá participar nesta terça-feira (11), às 8hs, de uma Audiência Pública com o tema; Política Nacional de Enfrentamento aos Crimes Transfronteiriços. O encontro com diversos especialistas na área será promovido pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados.

De acordo com o Coronel Rozeni, a participação em um encontro dessa magnitude é muito importante, pois ajudará na construção de políticas segurança pública que irão refletir em Mato Grosso do Sul.

“Hoje o DOF atua em uma área de 722 quilômetros de fronteira seca e 888 quilômetros de fronteira fluvial com Paraguai e Bolívia. Somos pioneiros no país no policiamento especializado de fronteira e com certeza iremos apresentar propostas que irão contribuir no debate deste tema tão importante e complexo que é a segurança de nossas fronteiras”, afirmou o diretor do DOF.

O Deputado Federal, Coronel Ulysses (União-AC), propositor da audiência enfatizou que o Brasil tem 16.885 km de fronteira com 10 dos 12 países da América do Sul (só Equador e Chile não fazem fronteira com o Brasil). Ele aponta ainda que que a faixa de fronteira, que compreende o espaço de 150 km de largura, ao longo das fronteiras terrestres, corresponde a 27% do território nacional, abrangendo 588 municípios.

“Alguns países que mantém fronteira com o Brasil destacam-se pela produção de substâncias entorpecentes e comercialização clandestina de armas de fogo. Esses fatores alimentam a crescente violência na faixa de fronteira”, afirma o parlamentar.

Nesse ambiente complexo, a defesa da soberania se confunde com programas de segurança pública. Apesar da vasta legislação que disciplina a atuação do Estado na proteção das faixas de fronteira, o deputado observa que não há "efetivamente uma coordenação integrada dos esforços para vigilância e enfrentamento aos crimes transfronteiriços, possibilitando ambiente fértil para exploração do crime organizado" alegou.

Presenças Confirmadas

Além do Diretor do DOF também confirmaram presença na audiência Cleudo Dos Santos Maciel, Coordenador do Grupo Especial de Fronteira do Acre, Eduardo Maia Bettini, Chefe do Grupo Especial de Polícia Marítima (Gepom/PF), Eldison Martins do Prado, Comandante do Batalhão de Policiamento de Fronteira da PM do Paraná (Bpfron/PR), Alexandre Martins Angoti, Coordenador Operacional de Vigilância e Repressão da Receita Federal, Gustavo Luiz de Lima Correia, Coronel e representando o Exército Brasileiro, Carlos Augusto do Prado Bock, Coordenador-Geral de Operações Integradas e Combate ao Crime Organizado, Representando do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Rodolfo Queiroz Laterza, Presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol do Brasil) e Saulo de Tarso Sanson Silva, Coordenador de Operações Integradas da Secretaria de Segurança do Paraná.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE