Série D: Diretor do Santa Cruz culpa torcida por salários atrasados

Santa Cruz atrasou vencimentos e Sandro Barbosa apontou a queda de público nos confrontos mais recentes da equipe como justificativa

| FUTEBOL INTERIOR


Santa Cruz é dono da melhor média de público na Série D (Foto: Evelyn Victoria - SCFC)

O Santa Cruz voltou a atrasar salários depois de seis meses. O problema foi confirmado por Sandro Barbosa, diretor consultivo do Mais Querido, havendo possibilidade de ampliar de um para dois meses, já que os vencimentos de junho deverão ser pagos até o próximo sábado (15).

A justificativa apontada pela cúpula coral foi a ausência dos torcedores nos confrontos mais recentes. Dono da melhor média de público da Série D do Campeonato Brasileiro, o Santa teve cerca de 24.800 presentes ao Arruda contra Nacional-PB, o último, e Pacajus, o que fez a arrecadação ser menor.

“Sempre aconteceu isso, o clube vive do seu maior patrocinador, que é a torcida. Os resultados fora de casa contra Pacajus-CE e Sousa-PB fizeram a torcida dar uma recuada. A gente entende isso, mas acaba complicando, pois o clube não tem direito de transmissão e tem poucos patrocínios. Lembrando que a torcida sempre foi o principal patrocinador do Santa Cruz até que feche com uma SAF, enquanto não acontecer e as coisas não melhorarem no clube, infelizmente, vai ser assim”, afirmou à Rádio Clube de Pernambucano.

Sem pagar desde maio, o Santa Cruz tem pendências com funcionários, que receberam metade, e 50% da carteira de trabalho dos atletas. Normalmente os salários são divididos em 40% de CTPS e 60% de direitos de imagem, mas o dirigente coral espera honrar os compromissos: “Agora é ter a cabeça no lugar, tanto a comissão técnica como a diretoria para poder buscar essa classificação e para o mata-mata”, completou Sandro.

A previsão é de que, ao longo desta semana, as dívidas sejam quitadas. A diretoria tenta evitar dor de cabeça antes de enfrentar o Campinense, na segunda-feira (10), na 12ª rodada da Quarta Divisão; tricolores estão na 3ª posição e somam 19 pontos, porém veem a vaga no G-4 — classificatória ao mata-mata — ameaçada, com o acesso sendo o principal objetivo para poder salvar o calendário nacional em 2024.

Por: Mateus Schuler, 06/07/2023



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE