Flamengo 4 x 0 Aucas – Sob a batuta de Bruno Henrique

O rubro-negro, em segundo, terá de decidir no mata-mata fora de casa e pode cruzar contra Fluminense, Athletico-PR ou Internacional já na próxima fase.

| FUTEBOL INTERIOR


Bruno Henrique teve atuação de gala. Foto: Marcelo Cortes - CRF

O Flamengo continua firme em sua defesa do título da Copa Libertadores. Depois de início ruim na competição, garantiu sua vaga às oitavas de final nesta quarta-feira sem sustos. Sob a batuta de Bruno Henrique, titular após quase um ano se recuperando de grave lesão no joelho, o time carioca goleou o Aucas por 4 a 0 no Maracanã. A linda festa não foi completa porque o Racing bateu o Ñublense também por 4 a 0 na Argentina e acabou fechando na liderança do Grupo A, com 13 pontos, diante de 11 dos brasileiros. O time rubro-negro, em segundo, terá de decidir no mata-mata fora de casa e pode cruzar contra Fluminense, Athletico-PR ou Internacional já na próxima fase. ELE COMANDOU A GOLEADA !

Bruno Henrique anotou um gol no Rio e ainda comandou todas as principais jogadas ofensivas da equipe, para alegria de Vinícius Júnior, torcedor ilustre presente no Maracanã. Com velocidade e brigando por todas as bolas, o atacante deixou o Flamengo mais leve, competitivo e abusado em campo. Ele deixou o campo aos 28 do segundo tempo, aplaudido de pé. Até então sem empolgar nesta edição da Libertadores, o Flamengo chegou à última rodada da fase de grupos sob pressão. Com a vaga encaminhada, porém figurando no segundo lugar do Grupo A, precisava ganhar bem para tentar desbancar o Racing do topo da tabela, fugindo de embates fortes no mata-mata e com decisão caseira. O sentimento era de vingança. O eliminado campeão equatoriano aprontou diante dos rubro-negros na estreia, ganhando por 2 a 1 naquela que seria sua única vitória na edição. Tal tropeço tinha de ser devolvido por ao menos dois gols de saldo e ainda contando com uma mãozinha do Ñublense na casa do Racing.

Para a missão, Jorge Sampaoli modificou bastante a equipe, deixando Fabrício Bruno, Ayrton Lucas, Pulgar, Gerson e Gabigol apenas como opções no banco. Bruno Henrique como titular após quase um ano se recuperando de grave lesão no joelho era a principal surpresa. E foi do atacante o primeiro lance de perigo. O atacante passou pelo goleiro e bateu na rede pelo lado de fora. Enganou muitos torcedores e até Sampaoli. A pressão inicial do Flamengo era gigante e acabou resultando em vantagem logo com oito minutos. Depois de série de finalizações, a bola sobrou para Pedro fazer 1 a 0. Com somente 25 minutos o placar já podia ser bem mais amplo tamanho o ímpeto dos cariocas. Faltava, contudo, capricho nas finalizações. Bruno Henrique parecia ansioso. Em linda tabela com Arrascaeta, recebendo passe de letra, o atacante parou no goleiro. Logo depois, livre na área, mandou pelo alto. Bruno Henrique, entretanto, não fugia do jogo. Pedindo todas as bolas, deixava o Flamengo com alta intensidade, bem diferente da apresentação na casa do Red Bull Bragantino, por exemplo, na qual o time foi totalmente dominado e perdeu por 4 a 0. Em um escanteio criado por ele, Léo Pereira apareceu livre para ampliar, de cabeça. Aos 30 minutos o Flamengo tinha os resultados necessários para avançar em primeiro. Superava o Racing no saldo de gols (4 a 3). Com seu triunfo encaminhado, torcer para os chilenos era o maior sofrimento. O Ñublense queria vaga nos playoffs da Copa Sul-Americana.

PRÊMIO MERECIDO

O prêmio para Bruno Henrique veio aos 41 minutos. Após passe curto e perfeito de Everton Ribeiro, dominou de direita e bateu colocado no cantinho de esquerda. Comemorou seu 81° gol pelo clube batendo no símbolo do Flamengo e sendo o acionado pela torcida.

O Aucas voltou modificado e atrevido na fase final. E começou a dar trabalho, enfim, para os defensores do Flamengo. Esqueceu, porém, que deixar o contragolpe ao atual campeão é fatal. Aos nove minutos, Bruno Henrique recebeu em velocidade e tocou para Pedro servir Victor Hugo: 4 a 0. Ao mesmo tempo em que a goleada estava construída, veio a notícia dos dois gols dos argentinos que jogavam o Flamengo para o segundo lugar. Mesmo assim, os cariocas não desanimaram e continuaram acumulando chances criadas e desperdiçadas. Galíndez fez milagre em cabeçada de Bruno Henrique.

O atacante saiu de campo ovacionado aos 28 minutos. Exausto, mas com certeza que pode ajudar muito a equipe. Com cinco modificações, o Flamengo diminuiu o ritmo, mesmo assim, teve chances do quinto gol. Atrás, Matheus Cunha evitou o gol de honra dos equatorianos.

Matheus Cunha; Wesley (Fabrício Bruno), Léo Pereira, David Luiz e Filipe Luís; Thiago Maia (Pulgar), Victor Hugo, Everton Ribeiro (Everton Cebolinha) e Arrascaeta; Bruno Henrique (Matheus Gonçalves) e Pedro (Gabigol).

Galíndez; Briones (Corozo), Cangá, Ángel e Cuero; Quintero (Chalá), Cano (Montero), Quiñónez, Vega e Otero; Castillo (Cifuente).

Por: Agência Estado, 28/06/2023



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE