Ministério da Justiça: escolhido por Bolsonaro para substituir Moro é pastor e doutor em Direito

| GOSPEL +


O novo ministro da Justiça, André Luiz Mendonça, é pastor presbiteriano e tem ampla formação em Direito com foco no combate à corrupção. Funcionário de carreira da Advocacia Geral da União (AGU), ele chegou a ser cotado para ser indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo presidente Jair Bolsonaro.

O sucessor do ex-juiz Sérgio Moro no Ministério da Justiça atua como pastor na Igreja Presbiteriana Esperança, em Brasília (DF) e tem pós-graduação em direito pela Universidade de Brasília, além de doutorado em Estado de Direito e governança global, e mestrado em estratégias anticorrupção e políticas de integridade pela Universidade de Salamanca, na Espanha.

Em 2011, atuando pela AGU, ele foi vencedor do Prêmio Innovare numa categoria especial por idealizar e coordenar um grupo dedicado à recuperação de ativos desviados em casos de corrupção, que ajudou o país a recuperar bilhões de reais.

Desde que assumiu a chefia da AGU no governo Bolsonaro, Mendonça participou das sessões do STF como defensor das posições da União nos processos. Ao longo dos anos, o novo ministro da Justiça construiu pontes de diálogo com ministros do tribunal, o que é visto pela ala mais próxima ao filósofo Olavo de Carvalho como algo negativo.

ANÚNCIO

Segundo informações do portal G1, antes de assumir o cargo de ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), Mendonça atuou como corregedor-geral do órgão entre 2016 e 2018, e também já tinha sido diretor do Departamento de Patrimônio Público e Probidade Administrativa da Procuradoria-Geral da União.

“Agradeço ao PR Jair Bolsonaro por confiar a mim a missão de conduzir as políticas públicas de Justiça e Segurança do nosso país. Meu compromisso é continuar desenvolvendo o trabalho técnico que tem pautado minha vida. Conto com o apoio do povo brasileiro! Que Deus nos abençoe!”, escreveu o novo ministro da Justiça em sua conta no Twitter.

STF

Na ocasião em que o presidente Bolsonaro declarou que indicaria um jurista evangélico para o STF, o nome de André Luiz Mendonça esteve entre os mais mencionados nos bastidores do governo.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE