Como tecnologias espaciais tornam o mundo um lugar melhor

Semana Mundial do Espaço termina neste 10 de outubro; interesse pelo setor aumenta em vários países que buscam a tecnologia para acelerar o desenvolvimento sustentável.

| ONU NEWS


Um astronauta da NASA flutua no espaço - Foto: Unsplash/NASA

Há um interesse crescente na exploração espacial, à medida que mais pessoas percebem a importância da tecnologia espacial para alcançar um futuro mais sustentável.

Essa é a opinião da chefe da Associação da Semana Mundial do Espaço, Maruška Strah, que coordena as atividades planejadas para a sessão deste ano que termina nesta segunda-feira.

Todos têm um lugar no setor espacial
Em entrevista à ONU News, de Viena, ela destacou que a agenda e o número de países participantes do evento tiveram um salto nos últimos quatro anos, aumentando de 4 mil reuniões e 86 países para mais de 6,4 mil eventos em 96 nações.

Maruška Strah pontua algumas razões para isso, como notícias positivas da mídia quando se trata de exploração espacial e o sonho de ir ao espaço estar se tornando mais realista para cidadãos comuns.

Ela afirma que “todos têm um lugar no setor espacial”. Para a diretora executiva da associação, além dos astronautas, engenheiros, advogados ou cientistas. Ela mesma só atentou para o tema quando fez um mestrado no tema.

Com o tema, “Espaço e Sustentabilidade”, Maruška Strah explicou que o maior evento espacial do mundo se concentra em como as tecnologias desenvolvidas para enviar objetos e pessoas ao espaço estão tendo um benefício direto para o planeta.

Arte no espaço
Falando sobre o que mais fascina na área espacial, Maruška Strah diz que este setor é o único “que envolve a todos”. No entanto, ela afirma que não é possível levar ao espaço os problemas que temos na Terra.

Para a organizadora da Semana Mundial do Espaço, é fundamental que os desafios do planeta sejam superados e os conflitos resolvidos.

Maruška Strah afirmou que se pudesse ir ao espaço, levaria poetas e artistas.

Das 169 metas dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, 65 se beneficiam diretamente das tecnologias espaciais, sem contar as telecomunicações.

Avanço da segurança espacial
 “Acho que não podemos mais sobreviver sem tecnologias espaciais, e vejo beleza nisso”, conclui.

Maruška Strah é membro do Instituto Internacional de Direito Espacial e da Associação Internacional para o Avanço da Segurança Espacial, bem como do Centro Europeu de Direito Espacial.

Ela está estudando para um doutorado em Estudos Jurídicos na Faculdade de Direito da Universidade de Viena, onde está focando sua pesquisa em Gerenciamento de Tráfego Espacial, sua principal área de interesse.