Dia Mundial da Doença de Alzheimer

A enfermidade com causas ainda desconhecidas que leva o paciente à demência de forma gradativa

| ASSESSORIA


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), há cerca de 1,2 milhão de brasileiros com Doença de Alzheimer atualmente, condição que acomete principalmente pessoas com mais de 60 anos, e a tendência é de que esse número dobre até 2030 e triplique em 2050. A enfermidade tem causas idiopáticas, ou seja, ainda desconhecidas cientificamente, e leva o paciente à demência.

Médico geriatra e professor da Uniderp, Marcos Blini, explica que a Doença de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa, que altera as funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem) e outras funções mentais importantes. Ao receber o diagnóstico clínico, o paciente deverá fazer acompanhamento médico e da equipe interdisciplinar. “Embora não tenha cura, atividades diárias podem proporcionar qualidade de vida ao trazer autonomia para a realização de tarefas, mesmo que simples, além de evitar ou retardar danos motores e minimizar quedas, por exemplo”, pontua.

Esse distúrbio cerebral irreversível e progressivo, apresenta evoluções de forma gradual e pode ser dividido em três estágios:

Estágio inicial

A primeira fase, mais leve, dura em média 3 anos, com a presença de sintomas vagos difusos, instalação lenta onde a principal característica é a memória alterada. O paciente perde habilidade para a realização de atividades cerebrais complexas, como controle de finanças, direção veicular e organização de reuniões, por exemplo

Estágio intermediário

Nesta etapa a duração é de aproximadamente, 3 a 5 anos e ocorre também de forma progressiva e lenta, com maior deterioração de memória. As emoções, personalidade e comportamento social também podem ficar progressivamente alterados, além de alterações de postura, marcha e tônus muscular. Surge a necessidade de auxílios básicos como para tomar banho e se vestir, por exemplo,

Estágio avançado

A fase mais avançada e grave tem duração variável, indo de acordo com o estado do paciente e a média de evolução da doença, bem como os meios de tratamento aplicados ao longo dos anos. Os portadores podem viver muitos anos nesta fase. As funções do organismo já se encontram mais gravemente comprometidas, a fala já está prejudicada. Podem aparecer sintomas e sinais neurológicos grosseiros: rigidez, convulsões, tremores e movimentos involuntários. O paciente fica totalmente dependente, chegando a falar muito pouco ou nada e precisando de auxílio para se alimentar, entre outras atividades. Esta fase evolui até o estado total vegetativo.

Blini destaca que o controle de doenças crônicas, incluindo diabetes e hipertensão, diminui as chances de Alzheimer e outras demências, além do não tabagismo e de manter uma alimentação saudável. “Lutar contra o sedentarismo é um aliado. Quem tem uma vida social mais ativa, tem menos chances de desenvolver a demência ao fim da vida”, esclarece.

Quanto ao diagnóstico, o especialista menciona que é clínico, ou seja, realizado por meio de uma consulta médica. “O médico faz uma análise com o paciente e com seus familiares para entender todas as características, deficiências e queixas. Assim, caminha para o diagnóstico, tratamento e acompanhamento adequado”, esclarece.

Atendimento

O Centro de Especialidades Médicas da Uniderp (Cemed) oferece atendimento a portadores de Alzheimer. Há vagas para consultas durante todo o mês e o agendamento pode ser realizado por telefone ou pessoalmente na clínica. Outras especialidades, como a neurologia, que também trata a doença, poderão ser agendadas a partir do dia 30 de setembro, pelos mesmos canais.

O Cemed funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h. As consultas são realizadas com hora marcada. Exames e consultas têm taxa de tabela social ou gratuito, se encaminhado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O Centro fica localizado na Rua Nova Era, 480, bairro Itanhangá Park, no complexo da Uniderp. 

UNIDERP

Fundada em 1974, a Uniderp já transformou a vida de milhares de alunos, oferecendo educação de qualidade e conteúdo compatível com o mercado de trabalho em seus cursos de graduação, pós-graduação lato sensu, mestrado, doutorado e extensão, presenciais ou a distância. Presente no estado do Mato Grosso do Sul, a Uniderp presta inúmeros serviços gratuitos à população por meio do Núcleo de Práticas Jurídicas e das Clínicas-Escola na área de Saúde, locais em que os acadêmicos desenvolvem os estudos práticos. Focada na excelência da integração entre ensino, pesquisa e extensão, a Uniderp oferece formação de qualidade e tem em seu DNA a preocupação de compartilhar o conhecimento com a sociedade também por meio de projetos e ações sociais. Em 2014, a Uniderp passou a integrar a Kroton.

 

Sobre a KrotonMed

A KrotonMed é a unidade de negócio da Kroton voltada para a Medicina. Criada em 2021, a KrotonMed possui mais de 3 mil alunos matriculados no curso de Medicina em 6 instituições de ensino superior: Unic, no Mato Grosso; Uniderp, no Mato Grosso do Sul; Unime Lauro de Freitas e Pitágoras Eunápolis, na Bahia; e Pitágoras Codó e Bacabal, no Maranhão. A KrotonMed possui mais de 7 mil alunos em cursos de Saúde Presencial, mais de 18 mil alunos em outros cursos presenciais de alto valor agregado. Os cursos recebem investimentos constantes para aprimoramento da infraestrutura, que inclui laboratórios e ferramentas que utilizam as mais avançadas tecnologias voltadas ao ensino da Medicina. As instituições possuem parceria com clínicas e hospitais que atendem a população, possibilitando ao aluno acesso a um alto nível de educação que reúne teoria e prática e uma preparação eficiente para sua inserção no mercado de trabalho.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE