Foram capacitados 31 novos Operadores de Fronteira sendo 23 policiais militares do Mato Grosso do Sul, dois policiais militares de Rondônia, um policial militar do Acre, um policial civil do Acre, dois policiais militares de Goiás, um policial militar de Minas Gerais e um policial rodoviário federal, todos lotados em unidades especializadas de fronteira e/ou divisas.

Somente durante o estágio operacional, processo de formação onde os alunos colocam em prática todo o conhecimento obtido durante as instruções do curso, foram retirados de circulação mais de 3,3 toneladas de maconha, 108 quilos de cocaína, 3676 pacotes de cigarros contrabandeados, duas armas de fogo, quatro veículos com queixa de roubo/furto, sete veículos com contrabando e descaminho, dois mandados de prisão cumpridos e 27 pessoas presas envolvidas em crimes transfronteiriços. Um prejuízo ao crime organizado de aproximadamente R$ 14,4 milhões.

Desde a criação do CEPFron, em 2013, o DOF já formou 207 operadores dos estados do Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rondônia, dentre eles policiais militares e civis, policiais rodoviários federais, promotores de justiça e militares do Exército Brasileiro.

O CEPFron tem por finalidade especializar agentes de segurança pública de todo o país na execução de policiamento ostensivo focando na ação voltada ao enfrentamento dos crimes transfronteiriços e as circunstâncias que os envolvem, por meio de conhecimentos técnicos e operacionais para uma rápida e efetiva resposta ao crime nas fronteiras.

A grade curricular do curso conta com vinte e duas disciplinas, distribuídas em teóricas e práticas, com um total de 351 horas/aulas, dentre elas estão: técnicas de entrevista; identificação de explosivos, identificação e reconhecimento de drogas, fraude veiculares, atendimento pré-hospitalar tático, patrulha policial rural, direção policial, técnicas e táticas de confrontos armados entre outras.