Criada pelo decreto federal n° 324/95 de 5 de dezembro de 1.995. Através da lei municipal 2.017/95 foi denominada a Escola Municipal Agrotécnica Padre André Capélli. Em homenagem ao Padre Azeglio Capélli. ESTA UNIDADE DE ENSINO É UMA INSTITUIÇÃO MANTIDA PELA PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS COM ALUNOS DA PERIFERIA DE DOURADOS QUE CURSAM DO 6 ANO AO 9 ANO EM PERÍODO INTEGRAL DE APRENDIZAGEM. (CRIANÇAS DE 10 A 15 ANOS).

Em março de 1996, iniciou a primeira turma de alunos neste sistema integral. Atualmente, a Escola Municipal Agrotécnica Padre André Capelli possui uma área de 52 hectares. Foi a primeira escola de regime integral em Dourados, onde além das disciplinas normais, os alunos estudam e realizam atividades técnicas e práticas nas disciplinas de práticas agrícolas e zootécnicas, plantas medicinais, educação ambiental, práticas comerciais e industriais. SÃO ALUNOS  DA ZONA URBANA QUE UTILIZAM O TRANSPORTE ESCOLAR PARA A ZONA RURAL, COM OBJETIVO DE ESTUDAR AS DISCIPLINAS DA BASE COMUM (LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA, HISTÓRIA, GEOGRAFIA, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO FÍSICA, ARTES) E O COMPLETO DOS ESTUDOS COM UMA GRADE CURRICULAR DE ENSINO DE PRÁTICAS AGRÍCOLAS E ZOOTÉCNICAS, ONDE RECEBEM CONTEÚDOS TEÓRICOS EM SALA DE AULA E DESEMPENHAM ATIVIDADES PRÁTICAS NOS SETORES DA ESCOLA COMO: MANEJO E CUIDADOS NOS SUÍNOS, BOVINOS, CAPRINOS, AVES DE CORTE E POSTURA, PEIXES ,ABELHAS, HORTA, POMAR, PLANTAS MEDICINAIS, JARDINAGEM E CULTIVO DE SOJA E MILHO (25 HECTARES).

Em sua estrutura física a escola conta com 22 pavilhões que auxiliam no desenvolvimento das atividades. Além do pavilhão central onde ficam a direção, coordenação, sala dos professores, secretaria escolar, biblioteca, a escola possui 6 salas de aula, 2 laboratórios de química/biologia, uma sala de tecnologia, refeitório, cozinha, cozinha industrial para as aulas práticas, vestiários central masculino e feminino, quadra de esportes, campo de futebol,  barracão para maquinário agrícola e ainda os setores disponíveis para a realização das aulas práticas como o de Mecânica agrícola, fruticultura, horticultura, plantas medicinas, suinocultura, bovinocultura, piscicultura, avicultura de corte e postura.

 

A escola conta com 1 diretor, 2 coordenadores pedagógicos, 17 professores, 25 funcionários administrativos e 185 alunos matriculados que vem para a escola através de transporte escolar disponibilizado através das rotas em bairros estratégicos até a escola. Os alunos permanecem na Agrotécnica o dia todo, sendo que o início das atividades é às 7 h e retorno para suas residências acontece após as 16 h. Para manter os alunos o dia todo, a escola oferece 3 refeições, sendo o café da manhã, almoço e o lanche da tarde.

A Agrotécnica vem ao longo destes 27 anos proporcionando educação de qualidade e de tempo integral aos alunos do município e Dourados. A implantação das diretrizes empreendedoras e educativas se faz necessário para o desenvolvimento intelectual do educando, de maneira que ele possa absorber noções de gestão, valores monetários e compreender a necessidade de manter o patrimônio público em ordem e que os valores financeiros sejam compreendidos de forma clara para o retorno em benfeitorias da escola e na educação.

As atividades propostas são de acordo com a grade curricular da escola, divididas em menor intensidade de acordo com a idade. Práticas agrícolas e zootécnicas de menor complexidade nas series de 6 anos e o grau de complexidades vai aumentado de acordo com o ano acima.

As aulas acontecem em regime de teorias em sala de aula e práticas desenvolvidas nos setores da escola, através de anotações, flip chart, banner e de profissionais de empresas parceiras e de acordo com a produção da época do ano, afim de assegurar o planejamento propostos e aliar teoria e pratica para a produção dos números e implementação de ações gestoras de aprendizagem e de melhorias. Os números produzidos nos setores, são repassados aos professores para que de forma ordenada em cada disciplina, possa dialogar e propor as formas de aprendizado.

A implementação de parceria de campo experimental na área de 25 hectares das principais commodities brasileira (soja e milho) é de imensa valia ao aprendizado dos alunos e profissionais alocados na escola, bem como os recursos financeiros obtidos através das colheitas serão revertidos nas melhorias da infraestrutura do patrimônio escolar (instalações, correção do solo, melhoria e manutenção dos implementos agrícolas e demais instalações que servem de laboratório  a comunidade escolar, como os setores de horta, suinocultura, avicultura, bovinocultura e demais outras) nas técnicas e práticas do agronegócio, proporcionando um modelo correto de gestão dos recursos financeiros públicos em parceria com o setor privado.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE