Riedel destaca o crescimento do agronegócio sul-mato-grossense no cenário nacional

MS aponta crescimento econômico de 4,6%, percentual superior em comparação ao ano passado, de 3,6%

| ASSESSORIA


“É gerando resultados que continuaremos transformando vidas das famílias sul-mato-grossenses”, considera Riedel .Foto: Divulgação

Mato Grosso do Sul está entre os principais estados da região Centro Oeste com maior crescimento econômico previsto em 2022, devido principalmente pela força do agronegócio, com projeção de safra recorde de soja e milho, seguido pelo alto desempenho de abates para produção de carne, decorrente da demanda externa por proteína animal. 

Os dados foram divulgados recentemente pela ‘Tendências Consultoria’ e publicados na revista ‘Valor Econômico’, com circulação nacional. Ainda de acordo com a consultoria, Mato Grosso do Sul apontou um crescimento econômico de 4,6%, acima do crescimento de 2021, que foi de 3,6%, impulsionados pelo Agro.  

Para o candidato ao Governo do Estado, Eduardo Riedel (PSDB), graças ao agronegócio, Mato Grosso do Sul foi um dos estados menos afetados pela crise econômica decorrente da pandemia. “A força do agronegócio em nosso Estado comprovou a importância e a representatividade deste setor em nossa economia. Por isso estamos sempre criando programas, incentivos e políticas que favoreçam o homem e mulher do campo sul-mato-grossense”, ressaltou. 

Entre os projetos do candidato, está a produção de carne orgânica sustentável, integração Lavoura-Pecuária Floresta (ILPF), programa de recuperação de solos e mananciais, crédito para FCO Verde, geração de energia limpa por meio de biogás na suinocultura, energia solar e de biomassa de cana e madeira. “São programas que tem como objetivo nos colocar na dianteira da corrida pela certificação de Carbono Neutro até 2030, e que tem atraído a atenção de governos e empresas dentro e fora do país”, assegurou. 

Apesar de considerar uma meta ‘ousada’, ele acredita que Mato Grosso do Sul será um exemplo para o Brasil e para o mundo, e que o Estado está no caminho para ser certificado internacionalmente como um território Carbono Neutro, implementando e respeitando três eixos de políticas ambientais, a preservação da biodiversidade, proteção dos mananciais de águas e o balanço do carbono.