Oportunidades da Rota Bioceânica voltam à pauta em Dourados

| ASSESSORIA


Novos passos em direção ao futuro são dados a cada dia e a UNIGRAN acompanha com grande atenção os cenários e projetos que vão elevar os patamares de Mato Grosso do Sul nos próximos anos.

Recentemente a equipe da instituição participou, a convite do ministro de carreira diplomática do Ministério das Relações Exteriores, João Carlos Parkinson de Castro, do 1º Fórum de Integração dos Municípios do Corredor Bioceânico, que aconteceu na Assembleia Legislativa de MS, no mês de maio deste ano.

O evento reuniu autoridades do Mato Grosso do Sul e representantes do Chile, Argentina e Paraguai, além dos ministros João Carlos Parkinson, Carlos Alberto Gomes de Brito (do Turismo) e Carlos Alberto Franco França (das Relações Exteriores), para discutir as oportunidades da rota bioceânica e definir negócios em diferentes setores da economia, como agronegócio, comércio, indústria e turismo, além de promover a troca de informações sobre os países beneficiados pela rota, bem como resultados de estudos técnicos e assinaturas de convênios.

Nas palavras do ministro Carlos Alberto França, esse é um projeto de importância estratégica para o Brasil e para toda a América do Sul, que contribuirá para a integração de nossos estados e municípios aos fluxos internacionais de comércio.

De acordo com informações do ministério de Relações Exteriores, o corredor bioceânico vai reduzir em 30% os custos de transporte de cargas entre Brasil e China, e 23% o tempo de viagem, e beneficiar 23 dos 79 municípios de Mato Grosso do Sul.

A contribuição do MS para transformar o corredor em realidade será através da construção da ponte que vai ligar o Brasil ao Paraguai, com um ponto de conexão do lado brasileiro, na cidade de Porto Murtinho, e outro na cidade de Carmelo Peralta, no lado paraguaio.

O traçado da rota bioceânica envolve diretamente os municípios de Porto Murtinho, Jardim, Caracol, Bela Vista, Guia Lopes da Laguna, Nioaque, Sidrolândia e Campo Grande, mas seu alcance deve se fazer presente nas atividades de outros 15, sendo: Anastácio, Antônio João, Aquidauana, Bandeirantes, Bonito, Dois Irmãos do Buriti, Dourados, Itaporã, Jaraguari, Maracajú, Nova Alvorada, Ponta Porã, Ribas do Rio Pardo, Rio Brilhante e Terenos.

Como fechamento do evento, foi formulado uma Carta de Intenções, que reuniu considerações, encaminhamentos e resultados dos debates promovidos ao longo dos dois dias. A Carta, lida pelo presidente da Assembléia, deputado Paulo Corrêa, destacou um ponto importante no tocante à educação: “Que o corredor deverá gerar novos empregos especializados, razão pelo qual será necessário crescente envolvimento da rede universitária do corredor rodoviário bioceânico, na realização de estudos e na oferta de cursos que estejam perfeitamente alinhados com as futuras demandas do mercado de trabalho. 

A pró-reitora administrativa da UNIGRAN, Tânia Rejane de Souza, acompanhada de outros sete colaboradores da instituição, esteve presente ao evento e destacou a importância do corredor bioceânico para o desenvolvimento do Estado, consolidando inclusive um sonho antigo do Presidente de Honra da Instituição, Doutor Murilo Zauith.

“Eu vejo o projeto da rota bioceânica como uma abertura de mercado muito grande para o Mato Grosso do Sul. A gente vai começar a fazer um trabalho diferenciado, sem termos um porto tão perto, ao mesmo tempo uma rota econômica, que vai nos possibilitar escoar nossos produtos - que hoje viajam no mínimo 1.000 km da nossa região para qualquer lugar do país - então a gente tem um escoamento muito mais rápido, econômico e que com certeza vai trazer benefícios de todas as partes, quer seja no meio empregatício, quer seja em redução de custos”, destaca Tânia.

Em termos educacionais, a Pró-reitora enxerga uma solidificação de cursos já existentes na UNIGRAN e que, por conta das novas demandas de trabalho, podem surgir novos cursos, como por exemplo Relações Internacionais. “Hoje você escoa para os grandes centros ou para os mercados que atuam nessa área como Itajaí, Paranaguá, Santos e eles é que fazem todas as tratativas relativas a essas questões. Com o mercado muito mais próximo a nós, quem vai ter que fazer essas tratativas vai ser o próprio Estado, então vai ter abertura para alguns cursos que antes você não tinha e a solidificação de cursos que já existem.”

Também estiveram presente no evento os coordenadores Valdir da Costa Pereira, de Administração; Márcio de Melo Carlos Santos, de Arquitetura e Urbanismo; Maria Isabel Schierholt, de Ciências Econômicas; Gisele Souza Rosa, de Ciências Biológicas; Nilse Marli Scheuer Candido, Pró-Reitora de Ensino e Extensão e Letícia Ortega, Analista de Compliance da Unigran EAD.

Fransérgio Sampatti Santos Matos, coordenador dos cursos de Comércio Exterior, Gestão da Qualidade e Gestão de Cooperativas, também participou dos dois dias de evento e pode adicionar ainda mais informações sobre o assunto à sua bagagem de conhecimentos, já que baseou a sua dissertação de mestrado justamente sobre o tema Rota Bioceânica.

Ele enfatizou que as cidades entrecortadas pela Rota se desenvolvem de forma exponencial e cita o exemplo de Porto Murtinho, que apresenta grande desenvolvimento nos últimos anos e tem investido constantemente na profissionalização da população para atender as demandas do projeto.

“Dourados tem tudo para ser um hub logístico, porque tem infraestrutura, tem apoio e está estrategicamente bem localizado, por não ser tão distante da capital e se ligar rapidamente ao Paraná, então nós vamos precisar de muitos profissionais, principalmente de logística, na área jurídica, na questão alfandegária que exige o profissional de comércio exterior, sem falar no turismo, então a questão acadêmica é muito importante”, reforçou o professor. 


Dourados na Rota Bioceânica

A temática “Rota Bioceânica” volta à pauta nesta sexta-feira, 19 de agosto, às 19h, em Dourados. A Prefeitura de Dourados e a ACED (Associação Comercial e Empresarial de Dourados promovem, no próprio auditório da ACED, mais uma rodada de palestras com o objetivo de discutir as perspectivas para Dourados como polo de integração econômica e cultural da América do Sul.

A programação conta com a presença do Ministro João Carlos Parkinson de Castro, além do Consultor Logístico e Jurídico Demes Brito; Enrique Garcia Alvarez, Diretor do Sistema Portuário do Uruguai; Odilon Trindade Valençoela, Arquiteto Idealizador do Projeto de Ferrovia Internacional Ferroguarani; e Rubia Cynara Kuhn, Diretora Administrativa e Financeira do Grupo FV Cereais.

A palestra é aberta a toda a sociedade, porém as vagas são limitadas. As inscrições podem ser feitas aqui.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE