Reeleição no Brasil - José Tibitiça Ferreira Martins

| DO AUTOR


José Tibiriçá Martins Ferreira, advogado.. Foto: Divulgação

No dia 02 de outubro de 2.022 teremos eleição para o cargo de Presidente e Governador que somente poderão ser reeleitos por uma vez consecutivamente como os prefeitos. O direito à reeleição para cargos executivos faz 25 anos que acontece, surgiu em 1997 sob a Presidência de Fernando Henrique Cardoso, eleito pelo PSDB.
Segundo noticiado pela Folha de São Paulo no dia 02 de dezembro de 2007 nos seguintes termos: “A inovação foi aprovada em meio a um escândalo nos dia 13 e 14 de maio daquele ano, antes mesmo que o Senado tivesse aprovado a emenda, a Folha revelou gravações de conversas de deputados que disseram ter vendido seus votos para aprovar a reeleição por R$ 200.000,00 cada um e acusavam outros de terem feito o mesmo. Dois deles renunciaram e o governo abafou a CPI.
Nos Estados Unidos permite-se somente uma reeleição, ao contrário do nosso país que depois de ter exercido dois mandatos, pode ainda depois de 04 anos postular um terceiro mandato com uma nova reeleição. Essa prática é ruim, leva muitas vezes o governo a usar a máquina para benefício próprio num pais onde existe um centrão, onde um ex-presidente exerceu o mandato de deputado federal e afirmou que lá existiam 551 picaretas e acho que ele picaretou também.
Com relação à denúncia que o Jornal Folha de São Paulo fez tem fundamento, pois na época o governo FHC efetuou a privatização do Sistema Telebrás e foi acusado de usar o dinheiro para comprar vários deputados federais e ter dado concessão de rádio e televisão para muitos.
Aqui em Dourados temos como exemplos a concessão de várias emissoras de rádio a políticos com mandato: a Kaiuás, tupinambás, terra, rádio clube, esta atualmente alugada para um grupo evangélico. Pessoas que detiveram a concessão, nunca tiveram o perfil de jornalismo, hoje estão nas mãos de empresários do ramo de comunicação no estado. A única que ainda está funcionando é a 94,7 FM, também de propriedade de um ex-deputado federal que trabalhou como funcionário em três dessas emissoras, atualmente deputado estadual demonstra ser do ramo.
Daqui a 50 dias teremos a eleição e os partidos atuais em cada Estado em muitas das coligações são divergentes, sem ideologia e muitos candidatos tentam entrar no barco daquele que parece estar melhor nas pesquisas. Essas posições deixam a cabeça do eleitorado em parafuso, pois a nível de presidente há uma coligação até meio estranha onde um tucano companheiro do FHC por muitos anos, que se vangloriou ao dizer em 2018 como candidato a presidente ter derrotado o PT em São Paulo por seis vezes, agora tornou-se pombinha, ingressando no PSB, cujo símbolo é uma pomba.
A pombinha representa o Espírito Santo, ele depois de ter pilhado o ninho dos adversários como tucano se diz a luz para ajudar a volta do ex-presidente Lula.
No dia 16, na próxima terça-feira começa o horário político e cada um dos candidatos vai tentar vender o seu peixe e o povo vai ter que procurar entender mais uma vez o jogo.
Até agora as pesquisas são muito superficiais, porque a maioria do eleitorado ainda está preocupado em trabalhar para pagar as contas. Os pré-candidatos estão por aqui e por ali se trompando com os cumprimentos e batidas nas costas, beijando as crianças e com aquele afago aos idosos e idosas. Nem os cientistas políticos conseguem explicar esta guinada de muitos políticos que mudaram de lado na famosa janela, outros falam que em política tudo é possível por causa do seu dinamismo.
Dourados-MS, 12 de agosto de 2.022.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE