Doação de leite materno cai 40% em Dourados na pandemia

| O PROGRESSO


A pandemia do coronavírus diminuiu em 40% as doações de leite materno em Dourados, se comparado com o mesmo período do ano passado. De acordo com a nutricionista Rita de Cássia Doracio Mendes, responsável pelo Banco de Leite do Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), a redução da coleta interfere na quantidade de leite pasteurizado e, por conseguinte, na quantidade de leite disponível aos prematuros internados.

Segundo ela, mesmo na pandemia é possível manter a rotina de doação, levando em conta os cuidados, que continuam os mesmos como: somente doar se estiver saudável (no cadastro são analisados os exames de sangue do pré-natal). Além disso antes de iniciar a ordenha, a doadora deve realizar a higiene das mãos, prender os cabelos, proteger a boca e as narinas como máscara ou fralda de tecido e usar vidro esterilizado para a coleta e o armazenamento do leite humano.

De acordo como Ministério da Saúde, bebês prematuros ou de baixo peso (menos de 2,5 kg) precisam do leite materno para se recuperarem mais rápido e crescerem mais fortes e saudáveis. Durante todo o ano de 2019, apenas 222 mil litros de leite humano foram coletados em todo o País. Deste total, foram distribuídos 165 mil litros, beneficiando 214 mil recém-nascidos, a partir da doação de 188 mil mulheres. No entanto, no Brasil, por ano, cerca de 330 mil crianças nascem prematuras e precisam da doação de leite, já que permanecem sendo assistidas nos hospitais e maternidades. Os bebês prematuros representam, em média, 11% do total de crianças que nascem anualmente, em torno de 3 milhões.

Cada pote de leite humano pode ajudar até 10 recém-nascidos.“Os materiais referentes à pandemia reforçam a importância do leite humano, por fortalecer o sistema de defesa dos recém-nascidos, o que torna a doação de leite extremamente importante para os prematuros internados no hospital”, destaca a nutricionista Rita de Cassia.

Atualmente o Banco de leite do HU conta com 41 doadoras externas. A coleta é feita no domicílio, no período da manhã, nas terças, quartas ou quintas-feiras. A equipe do Banco de Leite liga um dia antes para saber se tem leite. Caso tenha, a funcionária recolhe o que a doadora tirou durante a semana e entrega um frasco vazio  para a próxima coleta.

Como ser doadora

Para ser doadora basta ligar para (67) 3410-3002, em horário comercial. Será agendada uma visita com a enfermeira ou com a nutricionista do Banco de Leite, que irá fazer o cadastro no domicílio e explicar como fazer a ordenha e como armazenar o leite ordenhado. Em Dourados o Banco de Leite Humano do HU-UFGD é o único da cidade. Mas, no estado de Mato Grosso do Sul, tem mais quatro bancos de leite, em Campo Grande.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE