Vasco e 777 querem volta de Rodrigo Caetano ao clube após compra da SAF ser efetivada

Dirigente, atualmente no Atlético-MG, teria interesse em voltar à Colina pela terceira vez

| LANCE! / RAFAEL RIBEIRO


Rodrigo Caetano acompanha treino do Vasco quando passou pela Colina, em 2011 (Foto: Paulo Sérgio/LANCE!Press)

Mentor da equipe que conquistou o título da Copa do Brasil em 2011, Rodrigo Caetano desponta como o nome favorito da 777 Partners para assumir o comando do futebol do Vasco após a efetivação da SAF.

A informação foi divulgada neste domingo (29) pelo jornal Extra e confirmada ao LANCE! por pessoas ligadas à direção do Gigante da Colina. Caetano atualmente é um dos executivos de futebol do Atlético-MG, onde ajudou os mineiros a ganhar Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil no ano passado. O dirigente gaúcho já teve duas passagens pelo Vasco, ambas na gestão Roberto Dinamite. Quase somou uma terceira, quando negociou com o atual mandatário cruz-maltino, Jorge Salgado, quando este assumiu, no fim de 2020. Sem acerto, contudo, foi para o Galo e deixou o caminho aberto para o criticado Alexandre Pássaro assumir as rédeas. Caetano tem contrato com os mineiros até o fim da atual temporada, mas segundo o L! apurou, existe a possibilidade da parceira custear a multa rescisória diante do aceno dele de que toparia retornar a São Januário. Seu nome foi ventilado pelos próprios vascaínos à 777 em reunião ocorrida no último sábado (28), no Rio de Janeiro (RJ). Clube e parceira realizaram uma série de encontros nos últimos dias para definir a formulação da proposta vinculante para a compra da SAF vascaína. À reportagem, fontes de São Januário apontaram que Juan Arciniegas (diretor-geral), Nicolas Maya (chefe de operação do futebol) e Sampson Ngo (assessor de investimentos), os integrantes da 777 que estão no Brasil, se mostraram satisfeitos com o currículo de Caetano e sua capacidade de reformular equipes. Com uma hipotética volta de Caetano, os planos de Vasco e sua investidores são o de manter Carlos Brazil, atual homem-forte do futebol cruz-maltino, mas com responsabilidades administrativas internas, aérea onde possui experiência no próprio clube quando gerenciou as categorias de base. O L! não conseguiu contato com Caetano para comentar as informações até a publicação desta reportagem.