Leia Coluna do Jonas desta sexta, 14


Jonas Alves da Silva (Silva Junior) - Divulgação

Sexta-feira, 14 de Janeiro 2022 –Dia do Enfermo. Dia do Treinador de Futebol.

Pensamento: Não posso escolher o que sentir, mas posso escolher como agir em relação ao que sinto."

Musica: Prelúdio N° 4- Benito dia Paula – Indicação Mateus Gnuztman - https://www.youtube.com/watch?v=WsbSarNyq64 

Niver: Jose Luiz Araujo, Francisco Cabral, Eduardo Oliveira, Alkindar Cavali. Odair Central, Jose Ferreira, Adevaldo Alves Araujo., Fracisco Cabral, Eusebio Dias Martins, Dirceu Almeida, Renato Giansante,Helton Costa- Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios. Salmos 90:12

Caso Leda

A OAB foi procurada por José Aparecido da Silva Vilhalba, que entende que a LEDA é um patrimônio público, e foi feito um termo de atendimento.

Encaminhamento

Na conversa com o Presidente da 4° Subseção da OAB, Ewerton Brito, Zezinho foi informado que "as declarações relatadas no termo de atendimento serão analisadas, bem como os documentos juntados. Caso esteja no âmbito de atuação da Ordem serão tomadas as medidas cabíveis. Caso não esteja, o caso será encaminhado para as autoridades competentes.

Tubaina

Por outro lado Eurides Castilho, o Tubaina, continua irredutível e se auto-define como presidente reeleito da entidade master do desporto amador douradense

Dourados perdeu muito

Dos anos 90 para cá, Dourados perdeu muito politicamente devido, principalmente, aos grupos mandatários que não abriram mão de jeito nenhum para um consenso.

As diferenças políticas não levam a nada, só prejudicam o município, como é o caso de Dourados. Muita gente boa poderia ter comandado a Prefeitura, mas, sempre aparecia alguém para não deixar o “cavalo encilhado” cumprir a sua tarefa.

Por duas vezes

O ex-deputado Valdenir Machado, por exemplo, teve duas oportunidades para sair candidato a prefeito de Dourados.

Na primeira, em 1992, Valdenir estava com tudo para disputar a Prefeitura. No entanto, o prefeito Braz Melo preferiu apoiar o seu secretário de Obras, Antônio Nogueira. E deu no que deu, ou seja, na vitória de Humberto Teixeira que, por sua vez, fez uma boa administração.

Covid atrapalhou

Nas eleições de 2020, novamente o “cavalo passou encilhado” para Valdenir Machado (PSDB).

No entanto, ele pegou Covid-19 e, depois, virou vice de José Carlos Barbosa, o Barbosinha (DEM). Resultado, o ex-presidente da Câmara, Alan Guedes (PP) surpreendeu todo mundo e foi eleito prefeito.

“Bola da vez”

O engenheiro civil Antônio Nogueira fez um excelente trabalho à frente da Secretaria de Obras da Prefeitura de Dourados.

No entanto, tudo levava a crer que a “bola da vez” era Valdenir Machado, como desenhava o cenário político. Isso, menos para o prefeito Braz Melo.

Um bom prefeito

Aliás, o engenheiro Antônio Nogueira reunia as condições para ser um grande prefeito de Dourados.

No entanto, o PMDB “rachou” e quem saiu ganhando foi Humberto Teixeira.

Profeta

O ex-deputado e atual secretário de Saúde do Estado, Geraldo Resende, disse no horário eleitoral gratuito, durante a campanha eleitoral, em 2020, que se Alan Guedes vencesse as eleições, faria uma administração insossa, ou seja, sem sal.

Pelo “andar da carruagem”, a profecia do médico Geraldo Resende vai se concretizando, já que a cidade de Dourados está mergulhada numa crise sem saída. Aliás, saída tem: é só arregaçar as mangas e avaliar que as diferenças políticas só contribuem para grupos interesseiros que não estão nem aí com o futuro de Dourados.

A coisa está feia

O prefeito Alan Guedes só está agradando os seus companheiros políticos e admiradores, porque, a coisa está feia e não tem como “parar o sol com a peneira”.

As críticas à administração municipal são contundentes. Até agora, o prefeito não deu mostras porque foi eleito para comandar o segundo maior município do Estado.

Reviravolta

No entanto, muita gente acredita que a administração do prefeito Alan Guedes ainda vai deslanchar e que os maiores problemas serão solucionados.

Vamos aguardar. Dourados não pode parar. E Prefeitura não existe só para pagar servidores. A população está atenta.

Repasse do FPM

Em janeiro, o primeiro repasse do (Fundo de Participação dos Municípios (FPM) aos municípios de Mato Grosso do Sul é de R$ 99.594.331,83. O primeiro montante do ano será dividido entre as 79 cidades do Estado.

Segundo a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), os repasses foram depositados na segunda-feira (10). Neste ano, o primeiro montante é 15% maior que o enviado em 2020 no mesmo período, conforme divulgou  o Midiamax.

Divisão

Como Capital do Estado, Campo Grande recebe a maior quantia dos repasses. São R$ 10.538.402,33 para a Cidade Morena nesta primeira parcela. Em Dourados o repasse é de R$ 4.985.986,62 na primeira parcela deste mês.

Três Lagoas é o terceiro município com a maior fatia do Estado, são R$ 3.277.956,49 para a cidade, conforme publicou  o Midiamax. Neste primeiro repasse, Corumbá arrematou R$ 3.085.135,52. Já o município de Ponta Porã recebeu R$ 2.892.314,55.

Telefones úteis em Dourados

Quantas vezes a gente já precisou fazer uma ligação de emergência, mas não lembrou ou não sabia o número do telefone. Pensando nisso, a Gazeta MS publica alguns números que, se for preciso, serão facilmente encontrado.

Anota aí:

Polícia Militar: 190

Bombeiros: 193

Guarda Municipal: 199 e 153

Polícia Rodoviária Federal (PRF): 191

Polícia Rodoviária Estadual (PRE): 198

SAMU: 192        

Polícia Civil - SIG (67) 3411-8080

Aeroporto (67) 3411-7936

Utilidade Publica       

O DOF mantém um canal aberto direto com o cidadão para tirar dúvidas, receber reclamações e denúncias anônimas, através do telefone 0800 647-6300. Não precisa se identificar e, a ligação, será mantida em absoluto sigilo. O serviço funciona 24 horas por dia, sete dias por semana.
Logo publicaremos outros números de emergência. 

[email protected]  



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE