Malha ferroviária do Centro-Oeste com 633 quilômetros de novos trilhos e R$ 9,2 bilhões de investimentos

Propostas apresentadas preveem linhas ferroviárias de Água Boa a Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, e de Maracaju a Dourados, no Mato Grosso do Sul

| ASSESSORIA


Na abertura do Setembro Ferroviário, uma boa notícia para o Centro-Oeste. O escoamento da produção regional deve ser impulsionado com a construção de novas linhas férreas a partir do instrumento de autorizações ferroviárias, previsto na Medida Provisória nº 1.065/2021. Os primeiros requerimentos de interessados em usar o mecanismo para fazer e operar ferrovias, de maneira mais célere e simplificada, foram apresentados nesta quinta-feira (2) ao Governo Federal, durante o lançamento do programa Pro Trilhos, no Palácio do Planalto.

As 10 solicitações recebidas totalizam 3,3 mil quilômetros de novos trilhos, em nove estados, e R$ 53,5 bilhões em investimentos privados. Dois deles beneficiam a região Centro-Oeste, com 633 quilômetros de novos segmentos e R$ 9,2 bilhões de investimentos, no total. "Este é o maior passo da nossa história ferroviária, um passo gigante para desenvolvimento desse modo de transporte no Brasil", destacou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

SINERGIA - A VLI Logística apresentou proposta para injetar R$ 6,4 bilhões em trecho a ser criado entre Lucas do Rio Verde e Água Boa, em Mato Grosso, com extensão de 557 quilômetros. A ideia é ofertar uma nova opção logística para o escoamento de cargas, principalmente de grãos, pelo Arco Norte do país. O traçado tem sinergia operacional junto à Ferrovia Norte-Sul.

Já a Ferroeste tem interesse em operar 76 quilômetros de novos trilhos entre Maracaju e Dourados, no estado do Mato Grosso do Sul. Com investimento de R$ 2,85 bilhões, o empreendimento, às margens da BR-267, seria a ligação do trecho ferroviário planejado pela concessionária e a região produtora sul-mato grossense.

Agora, os requerimentos começam a ser avaliados pelo MInfra, responsável por emitir as autorizações, caso os empreendimentos cumpram todos os requisitos exigidos pelo Governo Federal, nos termos da MP 1.065/2021. As autorizações ferroviárias têm potencial de aumentar a participação do modal dos atuais 20% para 40% da logística nacional de transportes até 2035.

FICO - Ainda na temporada de ações federais para impulsionar a ampliação da malha ferroviária do país, batizada de Setembro Ferroviário, há outra agenda que beneficia o Centro-Oeste e terá impacto no escoamento da produção regional, gerando empregos e aquecendo a economia.

Seguindo a programação já confirmada, no dia 17, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, estará em Mara Rosa (GO) para conferir a instalação do canteiro de obras da Vale na Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), entre Goiás e Mato Grosso. O trabalho precede o início das obras no trecho 1 (383 quilômetros), viabilizadas a partir de investimento cruzado, uma contrapartida da renovação das concessões da Vale com a União: cerca de R$ 2,7 bilhões, que seriam pagos em outorga, serão investidos pela empresa na construção da ferrovia.

Assessoria Especial de Comunicação

Ministério da Infraestrutura



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE