Psicóloga morta em motel pode ter sido levada à força ao local

| DOURADOSNEWS / REDAçãO COM OSVALDO DUARTE


Vítima foi encontrada morta aos pés da cama, em uma poça de sangue - Crédito: Reprodução

As investigações sobre o assassinato da psicóloga Juana Elva Rojas de Cáceres, de 64, encontrada morta em um motel na cidade de Pedro Juan Caballero, vizinha a Ponta Porã, trabalham com a hipótese de que a vítima tenha sido levada à força até o local do crime. 

A reportagem apurou que uma das linhas aponta que ela saiu de casa na sexta-feira (3) para atender um paciente, apontado como suspeito de tê-la forçado a ir ao motel onde foi morta com 28 facadas em diferentes partes do corpo. 

O suspeito do crime deixou o local com o veículo e pertences da vítima após pagar uma parte da conta. Ele alegou que voltaria na manhã deste sábado (4) para quitar o débito. 

Como não voltou, o gerente do motel foi até o quarto e bateu na porta, mas por não ter sido atendido, abriu a porta e encontrou a vítima morta aos pés da cama, em uma poça de sangue.

Conforme o médico Gustavo Galeano, perito forense, a psicóloga estava morta há pelo menos 12 horas, vítima de 28 facadas em diferentes partes do corpo, como tórax, peito, costas e rosto. Ela também tinha cortes nas mãos, o que motiva suspeita de luta corporal entre vítima e agressor.