VARIANTE DELTA: “Vacinação em massa, distanciamento e máscara são as armas contra nova cepa”, afirma Dr Roberto Kalil

"Vacinação em massa e colaboração da população em manter o distanciamento social e usar máscaras de proteção são as únicas armas pra conter nova tragédia", afirma Dr Roberto Kalil

| ASSESSORIA


Dr Roberto Kalil - presidente do InCor/HCFMUSP e diretor do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês. Foto: Divulgação

Os primeiros casos de morte em virtude dessa variante também começam a ser registrados. Ainda estamos no meio de uma tragédia, cujos efeitos ainda serão sentidos por um longo tempo entre a população. A Covid-19 é uma doença muito mais séria do que imaginávamos", afirma Roberto Kalil Filho, professor titular de cardiologia da Faculdade de Medicina da USP, presidente do Conselho Diretor do InCor e diretor do hospital Sírio Libanês.

Os estudos e relatos médicos indicam que a mais nova variante da Covid-19 é altamente transmissível e se replica mais precocemente no organismo. Em alguns países, a variante Delta já responde pela maioria dos casos de Covid-19.

A chegada da chamada "cepa indiana" do novo coronavírus ao país serve como alerta para a manutenção do isolamento, para a continuidade no uso da máscara e, principalmente, para a importância de se acelerar a vacinação no país, opina o médico. Não é hora de relaxar com as medidas de proteção", alertar Kalil.

O médico aponta ainda para o aumento do impacto dos custos da saúde pública que um eventual recrudescimento da pandemia poderá acarretar. "Do ponto de vista médico, a doença continua a inspirar cuidados, mesmo entre aqueles que já contraíram o vírus e passaram por um quadro de internação.

"A vacinação em massa e a colaboração da população em manter o distanciamento social e usar máscaras de proteção são as únicas armas nesse momento para contermos o avanço da Covid-19, inclusive na sua variante Delta", resume o doutor Kalil.

Roberto Kalil é presidente do Conselho Diretor do Instituto do Coração (InCor/HCFMUSP) e diretor do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE