HU-UFGD prepara transferência da maternidade para a Unidade da Mulher e da Criança

Antes mesmo da mudança, já está liberada a troca de acompanhantes, que ficou suspensa por conta da pandemia

| ASSESSORIA


Prédio da UMC abrigará a Maternidade do HU-UFGD a partir de setembro (Foto: Divulgação/UC-HU-UFGD)

O Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD) está preparando a transferência dos serviços relacionados à Maternidade (Pronto Atendimento Ginecológico e Obstétrico, Centro Obstétrico e Alojamento Conjunto) para o prédio da Unidade da Mulher e da Criança (UMC) construído especificamente para essa finalidade, mas temporariamente utilizado para acomodar os atendimentos de Covid-19. 

A previsão é que a mudança de prédio esteja concretizada na segunda quinzena de setembro. Mesmo antes disso, algumas alterações já estão sendo implementadas no atendimento, como a liberação da troca de acompanhantes, suspensa em virtude do plano de contingência para combate à pandemia.  

Desde o início da semana, as trocas já podem ser feitas, uma vez por dia (às 19h), desde que o acompanhante não seja de nenhum grupo de risco para o Covid-19 (pessoas com mais de 60 anos, pessoas com doenças crônicas, doenças respiratórias e autoimunes, por exemplo). Também é obrigatório que o acompanhante apresente comprovante de vacinação contra Covid-19. 

Assim que estiver concluída a transferência para a UMC, será realizado o recadastramento das doulas (comunitárias ou autônomas) interessadas em retomar ou iniciar a atuação na maternidade do HU-UFGD. Para o recadastramento, as doulas também deverão apresentar o comprovante de vacinação. 

BOA ESTRUTURA FÍSICA E AMBIÊNCIA ADEQUADA 

O projeto da UMC prevê uma construção de forma modular, ou seja, ao ser concluída cada fase, o espaço já pode ser usufruído, sem interferir na fase seguinte. O prédio que já está pronto e entregue corresponde à primeira fase. A área construída é de 6.370,68 metros quadrados, em três pavimentos, oferecendo infraestrutura física e ambiência adequada ao funcionamento da Maternidade. 

No andar térreo, será instalado o Pronto Atendimento Obstétrico, com salas amplas para acolhimento, consultas, exames e observação. No primeiro andar, ficará o Alojamento Conjunto de mães e bebês e, no último pavimento, o Centro Obstétrico, com quatro modernas salas cirúrgicas. 

O novo prédio também conta com um Centro de Parto Normal, com cinco quartos PPP (Pré-parto, Parto e Pós-parto). São suítes individuais, com equipamentos específicos, inclusive banheira, oferecendo estrutura e privacidade para uma experiência de parto respeitosa e segura.  

Outro importante serviço a ser transferido para o novo prédio é a sala lilás, do Programa Acalento, para atendimento a vítimas de violência sexual. Além disso, as novas instalações também contemplam as estruturas de apoio, como sala de plantão, e área de Ensino e Pesquisa, com diversas salas. 

REFERÊNCIA E EXCELÊNCIA 

O HU-UFGD é referência no atendimento materno-perinatal, trabalha pela humanização do parto e do nascimento, adotando as boas práticas recomendadas pelo Ministério da Saúde, buscando garantir o protagonismo e a autonomia da mulher, e oferecendo assistência de qualidade. Os partos de risco habitual (também chamados de “baixo risco”) são acompanhados por enfermeiras obstetras, profissionais especialmente qualificadas para a função, enquanto os partos considerados de alto risco e os nascimentos por via cirúrgica (cesarianas) são responsabilidade da equipe médica. 

Com as novas instalações, as equipes de assistência ganham ainda mais condições de agregar qualidade à assistência prestada. “O novo prédio atende às expectativas de pelo menos uma década, por uma assistência com mais qualidade e condições muito melhores do que havia nas antigas instalações”, comenta o chefe do Setor de Atenção à Saúde da Mulher, Sidney Antonio Lagrosa Garcia. 

Para a chefe da Unidade de Atenção à Saúde Materno Perinatal, Renata Rodrigues de Paula, a instalação da Maternidade no prédio da UMC representa um grande ganho para a saúde da mulher em Dourados. “Essa é a expectativa dos movimentos sociais, dos conselhos representativos e da própria gestão do hospital, todos empenhados na implementação de melhorias, para promover uma experiência de parto segura e respeitosa. É realmente um salto, em termos de qualidade assistência e infraestrutura”, afirma. 

Além de todo o ganho na assistência, as novas instalações da Maternidade também proporcionarão mais suporte às atividades de ensino. “Com as novas salas, equipamentos e espaço físico adequados, vamos qualificar também as atividades do Ensino, que, junto com a Pesquisa, constitui um dos pilares do hospital universitário”, avalia o superintendente do HU-UFGD, Luiz Augusto Freire Lopes, reforçando o compromisso com a missão institucional. 

SOBRE A REDE EBSERH 

Desde setembro de 2013, o HU-UFGD é vinculado à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). Ligada ao Ministério da Educação (MEC), a Ebserh foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência. 

Vinculadas a universidades federais, essas unidades hospitalares têm características específicas: atendem pacientes do SUS, e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas. Devido a essa natureza educacional, os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. 

Com isso, a Rede Ebserh atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde das regiões em que os hospitais estão inseridos. 



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE