Projeto social da Agepen recebe Moção de Congratulação da Câmara Municipal de Jardim

| GOVMS / TATYANE OLIVEIRA SANTINONI


A instalação de uma horta por reeducandos do Estabelecimento Penal “Máximo Romero', de Jardim, no Centro Integrado de Educação Infantil (CIEI) “Aparecida da Silva Jacob' recebeu a Moção de Congratulações e Aplausos da Câmara Municipal de Vereadores de Jardim.

A homenagem é um reconhecimento pela iniciativa da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), através da direção da unidade penal, que vai contribuir na alimentação saudável e ações educacionais das crianças atendidas pela instituição.

Proposta pela vereadora Andrea Insfran, a moção destaca o ato de solidariedade realizado pelos internos do regime fechado em prol da sociedade. “Queremos deixar registrado em nosso nome e em nome do Poder Legislativo, as nossas congratulações e aplausos, por tão nobre ato', cita o documento, que foi assinado pelo presidente da Câmara, vereador Glaucio Cabreira da Costa.

A ação contemplou a construção de canteiros, cultivo de mudas, sementes e doação de adubos, atendendo ao pedido da direção da instituição infantil de ensino para a implantação da horta, que contribuirá no aprendizado e alimentação das crianças e suas famílias.

Conforme o diretor do presídio, Júlio César Góes da Silva, o pedido do CIEI foi atendido prontamente. Idealizado pelas coordenadoras Sue Elane e Sônia Vilhalva, o projeto “Educar para Valorizar' surgiu após verificarem o trabalho social já desenvolvido pelo presídio em instituições filantrópicas da região, com a doação regular de hortaliças.

O CIEI Cida Jacob atende 107 crianças de forma híbrida, onde os pais participam atendendo as necessidades educacionais dos alunos e oferecendo retorno das atividades desenvolvidas através das devolutivas com fotos e vídeos para conclusão dos trabalhos. Os professores de Educação Física serão responsáveis pela continuidade do projeto do cultivo de hortaliças.

A horta existe na unidade prisional há cerca de sete anos e começou funcionando como um meio de incrementar as refeições servidas a internos e servidores, além de servir de laboratório para as constantes capacitações oferecidas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), importante parceiro da Agepen na realização de cursos profissionalizantes na unidade prisional.

Atualmente, por conta da pandemia, a produção tem atendido apenas a demanda interna, mas dentre as instituições já beneficiadas estão Casa da Garota, de Guia Lopes da Laguna; Casa do Garoto, de Jardim, que abrigam crianças e jovens, judicialmente separadas de suas famílias; além da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae).

Pelo trabalho, os detentos recebem remição de um dia na pena a cada três de serviços prestados, conforme estabelece a Lei de Execução Penal (LEP).

Tatyane Santinoni, Agepen

Fotos: Divulgação



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE