INC promove o primeiro transplante duplo de coração e rim na rede pública

Jovem de 23 anos, que recebeu os órgãos, se recupera bem

| GOV.BR


O Instituto Nacional de Cardiologia (INC), vinculado ao Ministério da Saúde, promoveu o primeiro transplante de coração e rim, durante uma mesma cirurgia, em um hospital da rede pública do Rio de Janeiro. O procedimento ocorreu em 22 de junho e foi classificado como “muito bem-sucedido' pela instituição.

A paciente é Luiza Rodrigues Guimarães, de 23 anos. De acordo com o INC, onde a jovem ainda está internada, Luiza “passa bem e cumpre o período de pós-operatório'. A menina, que mora em Macaé (RJ), foi diagnosticada com câncer ainda na adolescência. Se curou da doença, mas o tratamento de quimioterapia gerou sequelas no coração.

Esse tipo de caso, em que o paciente de câncer desenvolve cardiopatias devido ao tratamento, é comum. Por isso, o INC lançou neste ano uma pós-graduação em Cardio-oncologia. O curso é feito em parceria com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e Instituto Nacional de Câncer (Inca).

De acordo com a médica Jacqueline Sampaio dos Santos Miranda, coordenadora do Serviço de Transplante Cardíaco, do INC, o duplo transplante é um procedimento de alta complexidade e raro, mesmo na rede privada. “É sempre um desafio, ainda mais no contexto atual', explicou Miranda. “O mais importante é que a Luiza recebeu bem os dois órgãos e tem prognóstico favorável. Ela é jovem e vai poder ter uma vida normal.'

O procedimento foi viabilizado por meio de uma parceria com o Hospital Adventista Silvestre, que tem expertise em transplantes de rim e enviou uma equipe médica ao INC. De acordo com Jacqueline, foi preciso obter uma autorização especial do Sistema Nacional de Transplante (SNT) para a concretização da parceria entre o INC e o Silvestre.

Na cirurgia da jovem Luiza, o médico Carlos Eduardo Dantas, do INC, fez o transplante de coração e o doutor Eduardo Fernandes encarregou-se do transplante de rim. Os transplantes só ocorreram graças à disponibilidade de um doador em que a família autorizou a retirada tanto do coração quanto dos dois rins. Como de praxe, a paciente Luiza Guimarães recebeu apenas um dos rins e o outro órgão foi destinado a um paciente de outro hospital.

Com informações do Ministério da Saúde



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE