Acadêmicos de Engenharia Civil participam de Olimpíada Brasileira de Satélites

A equipe foi a única de Ensino Superior a passar para a 2ª fase do evento


Equipe de Engenharia Civil da UNIGRAN participa da 1ª Olimpíada Brasileira de Satélites . Divulgação

Acadêmicos do curso de Engenharia Civil da UNIGRAN foram aprovados para a 2ª fase da 1ª Olimpíada Brasileira de Satélites. A equipe UniSat-1, mentoreada pelo professor Wilson Passos, foi a única de Mato Grosso do Sul a se classificar para a próxima fase do evento, que conta com mais de 1500 inscritos e 350 grupos.

A olimpíada é de abrangência nacional, criada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e organizada pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em conjunto com a Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTI), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCTI) e a Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), da Universidade de São Paulo (USP).

O trabalho da UniSat-1, de acordo com Wilson, foi todo realizado remotamente, entre professores e alunos, e consiste em criar um satélite que tem como intuito o monitoramento e rastreio de mercadorias em tempo real, para diminuir as perdas. Para a 2ª fase a equipe recebeu um kit auxiliar para colocar a teoria exposta na etapa anterior em prática e confeccionar o satélite

De acordo com o professor da UNIGRAN e mentor da equipe, a oportunidade é ímpar, tanto para ele quanto para os alunos que participam do evento. “Estas iniciativas científicas são de extrema importância para o desenvolvimento científico e tecnológico do nosso país. Esta experiência que nossos acadêmicos e nós docentes estamos tendo no projeto é imensurável. Confesso estar bem ansioso para a próxima fase. Poderemos ter um satélite nosso no espaço, essa é realmente uma coisa bem incrível!”, confessou o mentor.

Wilson Passos ainda ressaltou que a UniSat-1, composta pela professora Andressa Morande e pelos acadêmicos Maria Luiza Rech Capuci e Gabriel Carneiro, ambos do 9º semestre de Engenharia Civil, é a única equipe de nível superior do Estado a passar para a próxima fase da olimpíada. “Estamos na segunda fase, iremos receber os componentes para montar o nosso satélite. E não apenas representando nossa cidade, mas também o Estado”, acrescentou.

A acadêmica da UNIGRAN, Maria Luiza, mencionou que sempre acompanha os eventos realizados pelo MCTI, INPE e da Agência Espacial Brasileira e ficou muito honrada em conseguir participar da Olimpíada de Satélites e ainda passar para a 2ª fase.

“Participar de um projeto deste porte é uma grande conquista e satisfação pessoal de toda a equipe”, assegurou a acadêmica. “O conhecimento nunca é o bastante e nunca será suficiente. Participar desses projetos fora da faculdade garantem um conhecimento maior. Além de que, a olimpíada que estamos participando trará uma maior oportunidade na área na qual eu quero seguir, a Engenharia Aeroespacial”, completou Maria Luiza.

A Olimpíada Brasileira de Satélites é composta de cinco fases.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE