A suspensão das aulas presenciais durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) pouco afetou a rotina dos alunos das sete escolas do Sesi em Mato Grosso do Sul. De segunda à sexta-feira, eles vestem o uniforme e, de casa mesmo, por meio de uma plataforma educacional da Microsoft, assistem às aulas normalmente.

 

A diferença é que, ao invés de irem à escola, estudantes da Educação Infantil ao Ensino Médio acompanham tudo por uma sala de aula virtual, com a possibilidade de interagir com os professores e outros colegas de classe, cada um da própria residência.

 

Para os alunos das sete escolas do Sesi no Estado, as plataformas tecnológicas de ensino já faziam parte do dia a dia e, por isso, manter a rotina de estudos em casa não foi uma grande dificuldade. Tanto que o engajamento é de até 93% dos estudantes, que acompanham diariamente as aulas online na plataforma, conforme relatório de acesso fornecido pela Microsoft à Rede Sesi de Ensino.

 

Para o superintendente do Sesi, Bergson Amarilla, o elevado engajamento por parte dos alunos demonstra o sucesso dos investimentos da instituição em uma educação inovadora, que, lá atrás, já vislumbrava a necessidade de formação dos docentes para lidar com tecnologia, salas de aula disruptivas e diferenciadas e ferramentas online para engajar os estudantes.

 

“Desde 2015 o Sesi posicionou o serviço educacional com a abordagem STEAM (ciências, tecnologia, engenharia, artes e matemática) para oferecer uma educação inovadora”, explicou o superintendente, completando que a ideia era avançar no conceito de ensinar e aprender para além das paredes das salas aulas, “falando a língua” e aplicando a tecnologia como aliada dos professores.

 

“Os alunos não querem exercitar em papel e lápis. Gostam de estar em contato com plataformas, vídeos, games e desafios que criem maior interação entre ele e o conhecimento. Todo este investimento nos preparou para ofertar uma educação diferenciada em meio a tantos desafios do mundo atual, mesmo em tempos de pandemia”, conclui o superintendente.

 

A analista técnica em educação do Sesi, Gláucia Vital da Cruz, afirma que não foi necessária uma grande mobilização por parte da equipe pedagógica para adaptar professores e alunos a este momento em que todos devem permanecer em casa o quanto for possível. “Os docentes já vêm sendo capacitados para usar as ferramentas educacionais da Microsoft há dois anos, e os alunos já faziam atividades nas plataformas virtuais tanto em casa quanto em sala de aula”, reforçou.

 

Para ela, além de atender às normas indicadas pelos órgãos reguladores, o Sesi agiu rápido para manter os alunos ativos. “Em tempos de isolamento social é fundamental manter uma rotina com afazeres significativos. A presença dos professores, ainda que virtual, é uma forma de apoio e motivação para manter a autonomia dos alunos e incentivar a busca permanente pelo conhecimento”, finalizou.

 

Rede de ensino do Sesi

 

A rede de educação básica do Sesi de Mato Grosso do Sul conta com sete escolas, localizadas nos municípios de Campo Grande, Três Lagoas, Dourados, Corumbá, Maracaju, Naviraí e Aparecida do Taboado. Além da educação básica, o aluno que desejar também pode cursar as séries do Ensino Médio junto com um curso técnico do Senai e, assim, sair da escola já preparado para exercer uma profissão.

 

A instituição oferece da Educação Infantil ao Ensino Médio, com preços diferenciados e educação inovadora e formação empreendedora que prepara o aluno para o mercado de trabalho do futuro. Abaixo, você confere algumas das plataformas online que são diferenciais da Escola do Sesi e tornam o aprendizado atraente:

 

Robótica e Programação

 

Crianças aprendendo a construir robôs e programando suas funções na linguagem Java e Phyton? A robótica faz parte da grade curricular da Escola do Sesi de forma interdisciplinar, a partir do 6º ano do Ensino Fundamental, preparando-os para um ensino mais prático e aprofundado sobre o futuro das tecnologias e do mercado de trabalho.

 

Empreendedorismo

 

Nas escolas do Sesi, a disciplina de Empreendedorismo é aplicada em parceria com o Sebrae, referência nacional no assunto, e trabalha com conceitos do protagonismo dos alunos, atitudes criativas, assertividade e busca da inovação. A matéria faz parte da grade curricular a partir da 6ª série do Ensino Fundamental até o 1º ano do Ensino Médio, com aulas semanais.

 

Plataformas online

 

As escolas do Sesi disponibilizam inúmeras plataformas online para despertar o interesse do aluno em Matemática, Português e outras disciplinas, além de tornar o ensino dinâmico e inovador. O Mangahigh, por exemplo, é um site utilizado no mundo todo e baseia o ensino de Matemática em games, ou seja, o aluno aprende brincando. A RoboGarden é uma plataforma canadense usada em vários países para ensinar programação a crianças e jovens de 7 a 17 anos de idade. Como estímulo ao hábito de leitura e para ampliar os conhecimentos da Língua Portuguesa, as escolas do Sesi do Estado integram à metodologia de ensino o Guten News, que funciona como um jornal digital que “traduz” as notícias para a linguagem infanto-juvenil.

 

Iniciação científica

 

Desde o Ensino Médio, alunos da Escola do Sesi têm contato com projetos de pesquisa que muitos só irão ter acesso na faculdade, e olhe lá. Os jovens desenvolvem trabalhos em diversas áreas do conhecimento, sempre com a orientação de um professor, podendo contar, ainda, com auxílio de docentes de instituições de ensino superior parceiras do Sesi. Os trabalhos elaborados pelos alunos inclusive são submetidos a feiras científicas de abrangência nacional, e inclusive já foram premiados, aproximando-os da comunidade acadêmica e científica.

 

Torneios de robótica

 

Além das feiras de tecnologia, os alunos também são incentivados a participar de diversas competições nacionais e internacionais de robótica, como os torneios da FLL (First Lego League), liga estadunidense que organiza a maior disputa mundial entre robôs, e a OBR (Olimpíada Brasileira de Robótica). As escolas do Sesi também promovem todos os anos o Torneio Interclasses de Robótica, uma forma de estreitar os laços entre os alunos e despertar o interesse para as competições externas. Os estudantes também são incentivados e preparados para participar de provas nacionais como a Obmep (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas), OBA (Olimpíada Brasileira de Astronomia), entre outras

 

Salas de aula tecnológicas

 

As escolas do Sesi contam com salas interativas, espaços inovadores que quebram o padrão da sala de aula tradicional, e despertam e estimulam o protagonismo e interesse do aluno pelo aprender. Nelas, as carteiras não são dispostas em fileiras e o quadro negro dá lugar a um painel 3D, que permite ao professor ensinar conteúdos como geometria e cartografia de uma forma inovadora e simplificada para os alunos.

 

A Indústria continua por você!



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE