O vírus também atinge as plantas, escrevem Maria Thereza Pedroso e Alice Nagata

Investimento em virologia vegetal é fundamental para segurança alimentar, agricultura e economia

| PODER 360


Vírus vegetais podem impactar agronegócio e produção alimentar. Divulgação

Sim, as plantas também são infectadas por vírus e ficam doentes. Muitos sabem disso, não sendo novidade. Mas, nesse momento de enfrentamento à pandemia do coronavírus que vivemos, talvez seja oportuno trazer o tema para apreciação, pois é possível destacar algumas curiosas analogias.

Na fitopatologia estuda-se fungos, bactérias, nematoides e vírus que afetam as plantas em geral, inclusive aquelas de importância agrícola. Uma subárea da fitopatologia é a virologia vegetal, a qual dialoga fortemente com a entomologia agrícola, pois muitos vírus são transmitidos por insetos. É muito parecido com o que ocorre, por exemplo, com os vírus da febre amarela e da dengue que igualmente são transmitidos por mosquitos.

Os vírus em plantas podem fazer um estrago impressionante na produção de alimentos. Mas a boa notícia é que o conhecimento sobre eles tem crescido exponencialmente. O resultado é que os cientistas têm desenvolvido importantes tecnologias, elaborando recomendações agronômicas e monitorando vírus e suas variantes.

Por exemplo, uma doença chamada “mancha anelar do mamoeiro” é causada por um vírus que reduz drasticamente a produção de frutos. Os resultados econômicos são graves, praticamente inviabilizando a atividade. Esse vírus é transmitido por um inseto conhecido como pulgão. A doença quase acabou com a produção do mamão papaya no Havaí. Mas os cientistas desenvolveram uma variedade transgênica resistente ao vírus, salvando a cadeia produtiva dessa fruta naquele país.

Uma das doenças mais importantes que afeta a produção do nosso popular feijão é causada pelo vírus do “mosaico dourado do feijoeiro”. Seu vetor é a mosca-branca. As perdas na produção de feijão podem atingir até 100% da lavoura. Mas, da mesma forma como o caso acima, pesquisadores da Embrapa desenvolveram um feijão transgênico resistente ao vírus.

 

 

O “vazio sanitário” é uma recomendação agronômica que consiste em definir um período de ausência completa de cultivos por um período entre dois e três meses. Isso contribuiu para diminuir a incidência de viroses em importantes culturas agrícolas. É uma prática muito eficaz, difícil de ser implementada, mas cada vez mais usada.

Há um vírus que causa uma doença chamada “fruto rugoso castanho do tomateiro” que vem fazendo fortes estragos, mas ainda em lavouras no exterior. Se for encontrado no Brasil, as plantas infectadas precisam ser imediatamente erradicadas, evitando o espalhamento pelo restante do país. A entrada desse vírus no Brasil seria desastrosa e deve ser evitada a qualquer custo. Esse é apenas um dos vírus que ocorre em tomateiro, a lista completa é longa. E se formos pensar nas mais variadas culturas agrícolas, a lista de ameaças é assustadora.

A diagnose de uma virose apenas pela análise dos sintomas não é conclusiva, já que variam de acordo com a espécie e a variante do vírus, da planta, do clima e da nutrição da planta. Por isso, testes de laboratório são ferramentas essenciais para complementar a diagnose feita em campo.

Por outro lado, o virologista vegetal não pode ficar apenas no laboratório identificando os vírus e suas variantes. Precisa visitar constantemente o campo para realizar periodicamente o monitoramento de doenças, verificar a ocorrência das viroses, nas várias regiões e nas várias épocas do ano. Ao mesmo tempo, precisam receber, nos laboratórios onde trabalham, amostras enviadas por seus colegas localizados nas mais diversas regiões do país.

Conclui-se que há uma engrenagem científica ampla e sofisticada, estabelecida para detectar o surgimento de novos vírus e suas variantes, desenvolver tecnologias e oferecer as recomendações agronômicas. Moral da história: o investimento em virologia vegetal é estratégico e fundamental para a nossa segurança alimentar, nossa agricultura e nossa economia.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE