A saúde em Dourados e os indignados de whatsapp

| FOLHA DE DOURADOS


Por Macelo Batarce, professor da UEMS 

 

Aqueles que tanto lamentam a situação da saúde em Dourados são provavelmente os mesmos que calçaram o caminho em direção a esta situação. O que garante que os indignados e aqueles que tanto lamentam hoje não continuam seu trabalho de pavimentar o caminho em direção a outras tragédias? Desconfie dos indignados!

Quantos indignados não fazem campanhas eleitorais em cima da tragédia? As prefeituras acabam de ser eleitas e do dia para a noite, muitos se dizem enganados, arrependidos. Posição cômoda, simplista, mesquinha. Não é atoa que a indignação de todos tem caráter localizado, personificado e pouco se fala sobre o cenário geral. Muito provável que os indignados sejam cúmplices deste cenário geral causa verdadeira da tragédia e por isto, disto não querem falar.

Olhem para Manaus! E olhem para tantos outros lugares para ver com clareza que não se trata fundamentalmente de um problema localizado. Obviamente que há barbáries locais, mas elas são a materialização da barbárie geral que tende a se repetir enquanto as pessoas se negam a vê-las de modo geral.

A esfera política vive o caos desde as eleições de 2018, ou talvez de antes e não há indicação alguma de mudanças deste cenário vindas de lá. O que existe é o contrário, uma luta para ver quem melhor se aproveita deste caos. O caos que vemos na política municipal é um caso particular do caos da política nacional. Mas há algo pior! A “bela alma” do povo.

A “bela alma” pretende descrever o estado deplorável do mundo como se dele estivesse excluída, como se o olhasse de uma distância objetiva, digamos, de uma distância de metalinguagem. Mas ela se esquece de incluir nisso sua própria posição subjetiva, o fato de que quer o mundo tal como ele é para poder continuar a ocupar sua cômoda posição de vítima explorada — todo o seu gozar narcísico se prende a esse papel, sua identidade de vitima explorada dá consistência a seu eu imaginário. pg 85

O povo lamenta tudo isto, alguns inclusive xingam de modo generalizado os políticos, qualificam com os piores adjetivos, mas secretamente estão aliados a este ou aquele vereador, referenciam este ou aquele político, inclusive aqueles que dizem não ter “políticos de estimação”. Desconfie de todo aquele que fala mal da política e dos políticos porque este é um forte sinal de que este tenha secretamente laços muito fortes e íntimos com os políticos. A crítica generalizada a política não passa de hipocrisia da “bela alma”.

É possível sair dessa bolha?

Só há um modo de sair desta bolha: estabelecer relações entre o local e o global. E há pistas objetivas que devem ser seguidas para esta tarefa. No plano local estas pistas encontram-se na FUNSAUD e no plano Global encontram-se naquilo que Paulo Guedes já sentenciou de modo bastante claro: “… vai ser impossível atender a demanda da saúde”. Por que os opositores e os apoiadores de Paulo Guedes mesmo vendo na sua frente o caos na saúde, não acreditam nas palavras que ele profetizou? Por que insistem em apenas culpar o Prefeito, o vereador, o deputado, etc sendo que o Ministro da Economia já havia dito antes que isto iria ocorrer?

Não se trata de campanha contra o governo Bolsonaro, trata-se do próprio governo Bolsonaro falando, não há porque apoiadores ou opositores suspeitarem. E mais do que isto, não adianta se debater, o problema vai continuar.

Tudo está muito claro. Lamentar e ficar indignado é um bom modo de fingir não ver. Resta perguntar: esta cegueira é ingenuidade ou esperteza?

Referencias

https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/04/27/guedes-diz-que-estado-quebrou-e-que-vai-ser-impossivel-atender-demanda-crescente-na-saude.ghtml

Zizek, O Mais Sublime dos Histéricos: Hegel com Lacan.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE