Covid -19 pode deixar herança maldita na vida de quem teve a doença

| GOVMS / BEATRICCE BRUNO


O Estado de Mato Grosso do Sul registrou, desde o início da Pandemia, mais de 263.613 pessoas que venceram a Covid 19. No entanto, e segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) cerca de 10% dos pacientes que foram infectados pelo vírus apresentam algum tipo de sintoma permanente, mesmo após a cura.

Para uma parcela de acometidos, em especial os casos mais graves com internação, suporte em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e ventilação mecânica apresentam maiores chances de eventuais consequências com possibilidade de persistirem.

Desde que surgiram os primeiros casos, em dezembro de 2019 na China, a literatura médica vem registrando sequelas que podem atingir diferentes partes do organismo. Até mesmo depois de meses do contágio e da alta médica, existe a chance de surgirem incidentes relacionados ao SARS-CoV-2.

De acordo com especialistas, pacientes que tiveram quadros graves que exigiram internação, suporte em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e ventilação mecânica apresentam maiores chances de eventuais consequências com possibilidade de persistirem.

Entre as sequelas mais comuns estão tosse seca, cansaço, fraqueza muscular, dor de cabeça e perda de olfato e paladar. Os sintomas podem perdurar por algumas semanas.

Também há casos de problemas cardíacos, como miocardite (inflamação no músculo do coração) e pericardite (inflamação na membrana que reveste o órgão), que podem levar a sintomas como arritmias. Outra inflamação relatada por especialistas é a miosite, que acomete os músculos e provoca riscos de fraqueza aguda e generalizada.

O rol de infecções sérias desencadeadas pelo coronavírus envolve problemas pulmonares como a fibrose, um enrijecimento progressivo do pulmão capaz de ocasionar falta de ar e má circulação sanguínea. Além disso, podem ocorrer problemas neurológicos mais graves, como sequelas variáveis de AVC (acidente vascular cerebral).

A saúde mental também é afetada Depois de cuidar dos dois filhos e do marido em 2020, todos com Covid 19, a profissional de saúde, Ana Flávia, 42 anos também se contaminou no início deste ano. Todos, felizmente, não tiveram complicações. Mas dois parentes não resistiram a doença. Há dois meses, Ana Flávia percebeu que estava se sentindo muito desanimada com a vida, uma tristeza frequente e choro fácil. Ao procurar um especialista, veio o diagnóstico inesperado: depressão. “Sempre fui muito forte nas adversidades, mas percebi que a Pandemia me deixou exausta emocionalmente', revelou.

Na opinião da médica infectologista, integrante do COE/MS, Mariana Croda, que participa de um projeto de pesquisa sobre o assunto, as sequelas podem atingir inclusive pacientes com poucos sintomas ou assintomáticos. “A principal é a fadiga, esse cansaço, que pode durar alguns meses, mas é algo persistente. Vale ressaltar que ainda não temos um acompanhamento a longo prazo para definir qual o período que essas sequelas ficam, e se elas são permanentes, ou não'.

Segundo Mariana, há relatos de perda do olfato e paladar por mais de seis meses depois da doença e ainda sem a recuperação completa desses sintomas. “ O vírus causa manifestações neurológicas e isso pode se manifestar de várias formas: dores crônicas, dor de cabeça. Estamos vendo também outras doenças, como as de saúde mental, que também pode estar relacionado: depressivos, episódios de psicose, que também estão acompanhando a covid'. Outra linha de estudo aponta para doenças de cunho autoimune, no pós-covid. “Quando seu corpo começa a produzir substancias não reconhecendo você como você mesma e ataca alguns locais e isso inclui as dores articulares, as artralgias, que são os problemas nas articulações, as artrites e algumas outras manifestações mais graves'.

Conforme a superintendente de Relações Institucionais, Eliana Dalla Nora, a maioria das sequelas atendidas pelo setor de reabilitação do HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) são motora, seguida de problemas cardiológicos e oftalmológicos. Falta de visão, por exemplo, é um dos problemas detectados e necessita de reabilitação.

Theresa Hilcar, Subcom Foto: Saul Schramm



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE