Comerciantes protestam por flexibilização do comércio em Dourados

Manifestantes garantem que se não houver nenhum sinal positivo, não está descartado o fechamento da BR num próximo ato

| REDAçãO/GAZETA MS


Comerciantes durante protesta no Trevo da Bandeira. Foto: Voz de Dourados

Um grupo de empresários promoveu protesto nesta sexta-feira, 30, no Trevo da Bandeira, saída para Caarapó/Ponta Porã. “Não estamos aguentado mais o arroxo, não acreditamos mais nos políticos, queremos abertura do comércio noturno urgente”, aponta um participante. Agentes da Polícia Rodoviária Federal e da Guarda Municipal acompanharam movimento pacífico, mas que não trazendo respostas positivas, pode ser ampliado e dessa forma os manifestantes pensam “apertar o cinto”, com possibilidade do fechamento da rodovia.
Encabeçado principalmente pelos comerciantes que têm estabelecimentos que funcionam no período noturno, como por exemplo os donos de bares e lanchonetes, entregadores Cachorro Louco, o grupo está unido em busca de solução para o problema gerado com a determinação do governo do estado de fazer valer o toque de recolher às 21 horas. Segundo eles, essa decisão tem prejudicado principalmente o pessoal autônomo, incluindo quem roda com aplicativo. “A perspectiva é que continuando dessa maneira, o futuro certamente será comprometido, provocando o desemprego e consequentemente o aumento da violência em nossa cidade, uma realidade antecipada que ninguém quer”, apontam os manifestantes.
“Lamentavelmente nosso prefeito tem sido omisso; por isso criamos um grupo e resolvemos fazer esse manifesto com o objetivo de chamar a atenção das autoridades e que nossas reivindicações possam encontrar eco em toda a sociedade, porque hoje todos saem perdendo com essa inércia, provocada nesse momento de pandemia causada pelo Corona vírus”, segue.
No ato desta sexta-feira diversas pessoas, carros e motos adentraram o canteiro central do Trevo da Bandeira para chamar atenção de quem cruzava pelo local, “porém se continuarmos sem respostas o fechamento de rodovias não está descartado”, finalizam.

Com reportagem Voz de Dourados



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE