Após reunião do Conselho, Conmebol evita estipular data para retorno das competições

| GAZETA ESPORTIVA


Conselho da Conmebol se reuniu por videoconferência nesta quarta-feira (Foto: Divulgação/Lucas Uebel)

Nesta quarta-feira, Conselho da Conmebol se reuniu por videoconferência e evitou estipular datas para o retorno da Copa Libertadores, da Copa Sul-Americana e das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022. Em documento, a entidade afirmou que a retomada das competições só acontecerá quando as autoridades de saúde indicarem que é seguro.

“O Conselho da Conmebol reuniu-se hoje por videoconferência e analisou os possíveis cenários do futebol continental nos próximos meses, concordando em retomar as competições quando as condições sanitárias o permitirem”, explicou a entidade em comunicado.

“O Conselho reafirmou seu compromisso de ter sempre como requisito fundamental o cumprimento de todas as medidas de prevenção necessárias determinadas pelas autoridades sanitárias em cada um dos países quando o futebol voltar”, diz outro trecho do texto.

No último mês de abril, a entidade havia definido a manutenção da disputa das competições, descartando a possibilidade de o encerramento ser feito fora dos gramados e sem a bola voltar a rolar.

A Conmebol ainda reiterou que tem a intenção de manter o formato atual das Eliminatórias, que teve as duas primeiras rodadas adiadas e tem a terceira atualmente marcada para setembro. “Até o momento, e de acordo com o calendário Fifa, as Eliminatórias para o Mundial Catar 2022 serão mantidas sem modificações”, esclareceu o órgão.

A entidade também anunciou uma ajuda de 14 milhões de dólares (R$ 82 milhões, na cotação atual) às federações afiliadas, com o intuito de amenizar os impactos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus no futebol sul-americano.

Até o momento, foram confirmados quase 1,8 milhão de casos de covid-19 nas Américas, com mais de 106 mil mortes, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, são cerca de 189 mil infectados, com o número de óbitos passando da casa dos 13 mil.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE