Como se tornar um ultrassonografista volante: dicas e desafios

| SHOP VETERINáRIO


O ultrassonografista volante é um profissional que atua fornecendo diagnóstico ultrassonográfico a pedido de outros médicos veterinários que não fornecem exame de imagem. O profissional volante normalmente atende diversos consultórios, clínicas e às vezes também é solicitado na residência do paciente. 

Com o auxílio de um ultrassom veterinário, o profissional se torna um grande aliado ao diagnóstico dos pacientes, tendo em vista que, com um equipamento de boa qualidade, e conhecimento na área, fornece informações importantes para o clínico responsável. Desse modo, o paciente poderá ser encaminhado para o melhor tratamento possível. 

Com isso, não faltam oportunidades de trabalho para o ultrassonografista volante. No entanto, é preciso estar preparado para tirar o melhor proveito das oportunidades e poder oferecer um atendimento de qualidade. Quer saber mais sobre esse mercado e como conseguir mais clientes? Confira este artigo! 

Demanda de trabalho

O ultrassonografista volante pode atuar em diversas áreas dentro da medicina veterinária. Apesar de ter uma demanda maior em pequenos animais, também pode atuar na criação de grandes, sobretudo no manejo reprodutivo e cuidados clínicos, no caso de equinos. 

Isso acontece porque nem sempre é interesse do médico veterinário adquirir um equipamento de ultrassom. Seja por limitações de orçamento ou ainda, devido a sua especialidade não demandar sempre o aparelho. Diante disso, torna-se mais vantajoso fazer parcerias com outros profissionais para realizar os exames sempre que forem necessários. 

É importante lembrar que o Brasil é um dos países com maior número de animais domésticos. Sendo que este é um mercado em expansão que movimenta cada vez mais dinheiro, afinal, tutores têm investido mais em cuidados com a saúde de seus animais de estimação.  

No atendimento de cães e gatos, os principais exames que podem ser solicitados são ultrassonografista volante são a avaliação abdominal, sistema urinário, avaliação cardiorrespiratória, ultrassonografia de glândulas adrenais e diagnóstico de confirmação de gestação. 

No que diz respeito à pecuária, onde há uma série de procedimentos que também demandam ultrassom, essa realidade é ainda mais animadora. O Brasil conta com mais de 220 milhões de cabeças de gado que regularmente dependem da aplicação de biotécnicas reprodutivas, além da demanda por diagnóstico gestacional. Ou seja, se você deseja atuar com bovinos, pode ter muitos clientes. 

Já em relação a equinocultura, apesar de não termos um Brasil um rebanho tão grande, este é um mercado em que proprietários de animais investem bastante no seu cuidado. Sendo assim, além da demanda pela aplicação de biotécnicas gestacional, também há uma procura pela ultrassonografia veterinária para avaliações ortopédicas, gastrointestinais e cardiorrespiratórias. 

Dicas para ganhar mais sendo um ultrassonografista volante

Se você gostou da ideia de atuar com ultrassonografista volante ou já atua e quer aprimorar o seu serviço, trouxemos algumas dicas que podem te ajudar nesse objetivo. Confira! 

1. Invista em Conhecimento 

Independente da área da medicina veterinária – pequenos, bovinos, equinos ou outros – é importante que o profissional invista em conhecimento em ultrassonografia e nas suas mais diversas aplicações. 

Sabemos que a graduação fornece alguma base em ultrassonografia mas, muitas vezes, não é suficiente para que o profissional possa atuar com segurança nessa área. É por isso que investir em conhecimento, fazendo cursos na área é ideal para quem quer se tornar um ultrassonografista volante. 

Você pode optar por um curso prático de curta duração ou uma especialização a nível de pós-graduação. 

2. Adquira um ultrassom veterinário de qualidade

Ao mesmo tempo, para atuar como profissional autônomo na área é imprescindível investir em um bom ultrassom veterinário portátil. Ele precisa permitir que você atenda as principais demandas de seus clientes com qualidade e agilidade e ser fácil de ser transportado. 

Existem equipamentos com os mais variados recursos, tamanhos e funções. Nesse caso, vale a pena entender qual a sua demanda e o quanto você pode investir no momento da compra. É importante lembrar que equipamentos mais completos permitem exames de maior valor agregado, o que possibilita um bom retorno sobre investimento. 

3. Crie uma boa rede de contatos

Para o ultrassonografista volante é essencial também criar uma boa rede de contatos entre médicos veterinários e clínicas. Afinal, são eles que vão solicitar o seu trabalho quando preciso ou recomendar para outros colegas. Para isso, participe de grupos de profissionais, quando possível vá em eventos e cursos da área e invista em marketing para a divulgação do seu trabalho. 

4. Preste serviços de qualidade

Com treinamento certo, um bom ultrassom veterinário e uma rede de contatos que possibilitem trabalho regular, o elemento que falta é prestar serviços de qualidade. Atitudes como chegar no horário combinado, ter cuidado com o paciente, fornecer diagnósticos rápidos e seguros são os melhores diferenciais que você pode ter para conseguir mais oportunidades de trabalho. 

Como vimos, um dos principais diferenciais para o trabalho do ultrassonografista volante é investir em um bom equipamento de ultrassom veterinário. Se você não tem ideia de como escolher, baixe nosso guia completo e tome a decisão correta sobre seu investimento! Clique aqui para saber mais



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE