Doação de capiaçu da Agraer eleva produtividade e reduz custos de produtores de MS

| SUBCOM


No município de Nova Alvorada do Sul, localizado a 120 quilômetros da Capital, produtores rurais poderão reduzir custos e aumentar a produtividade com a utilização do capim capiaçu na alimentação das vacas leiteiras.

Para alguns produtores, a novidade na produção pode alavancar a receita de quem precisa associar a lucratividade com cada litro de leite produzido. É o caso do Assentamento Pam, onde a produtora Sudemia Nogi que recebeu doação de mudas de capim Capiaçu comemora a doação e o aprendizado técnico. “Eu tenho alimentado minhas vacas com cana-de-açúcar e ração, com o capim, pelo que o técnico me orientou, vou ter um aumento na produção de leite. Com isso, a minha meta é elevar a produção atual de 120 litros ao dia para 250 litros”.

A doação foi feita pela Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), em por intermédio da Cepaer (Centro de Pesquisa e Capacitação da Agraer), com apoio da Secretária de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente e da Secretária de Educação de Nova Alvorada do sul.

Na iniciativa, foram atendidas oito famílias do assentamento PAN e Pana, sendo que cada família recebeu, aproximadamente, duzentos quilos de mudas de capim capiaçu. “Os beneficiados com a doação de capim Capiaçu da Agraer estão motivados a transformar a realidade de suas propriedades, potencializando a produtividade”, explica o coordenador da Agraer de Nova Alvorada do Sul, João Marcelo Beltrame.

Para Beltrame, a procedência do insumo é importante para o potencial produtivo. “Esse capiaçu saiu de um campo experimental da Embrapa e foi para o campo experimental do Cepaer que é o centro de pesquisa da Agraer. É um capim de alta produtividade com ótimo teor de proteína, sendo utilizado para alimentação dos animais na época da seca, e que também pode ser fornecido fresco ao cocho, ou seja, picado, já diretamente para o animal comer”.

Com capim capiaçu, Sudemia quer elevar a produção atual de 120 litros ao dia para 250 litros”
O benefício vai além porque diante da qualidade do capiaçu, os beneficiados podem ampliar o alcance da doação ao disseminar mudas. “Os produtores vão replicar uma muda de qualidade, aumentando a produtividade da propriedade, e eles podem disseminar, a tecnologia no local, fornecendo muda para outros produtores com a mesma segurança que eles pegaram”.

O capiaçu chega a produzir até 80 toneladas de massa verde/hectare/ano, ou seja, numa pequena área plantada é possível ter uma grande quantidade de alimento para os animais.  “Os produtores querem aprimorar a produção de leite, tendo como objetivo o aumento da produtividade, a melhora dos animais, e a otimização da área, onde eles trabalham.  O ideal de corte do capim é em torno de 60 a 80 dias, mas para isso precisa de uma boa adubação para manter a produtividade. A capineira pode ter uma longevidade de 7 anos e isso diminui muito o custo em relação à formação de pastagem”.

De acordo com a secretária de Meio Ambiente do município, o capiaçu é conhecido por seu alto teor de proteína e por isso a doação vai ajudar no crescimento do setor de uma forma geral. “A importância de incentivar a bovinocultura leiteira em nosso município através de incremento na alimentação animal de maior valor proteico resulta no aumento da produção, geração de renda e qualidade de vida”.

 



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE