1º Encontro de Escritores de MS

| ASSESSORIA


Aconteceu nos dias 9, 10 e 11 de maio de 1986, no Paço Municipal em Campo Grande, o 1º Encontro de Escritores de Mato Grosso do Sul, promoção da UBE (União Brasileira de Escritores - Seção MS).
O evento foi, sem dúvida, um dos mais importantes já realizados no Estado, pois contou com a participação de escritores de MS inteiro, além de convidados a nível nacional como o caso do consagradíssimo Ricardo Ramos, poeta, filho de Graciliano Ramos, autor do célebre romance Vidas Secas. De Dourados participaram os poetas Emmanoel Marinho, David Espinosa e Altair da Costa Dantas, que proferiu uma palestra.
A grande ausência foi de Ligia Fagundes Teles, uma vez que convidada para fazer parte da comitiva que iria com o presidente Sarney a Portugal, desmarcou em última hora sua presença.
Ricardo Ramos proferiu a palestra ”Vida Cultural Brasileira”. A palestra foi uma viagem do escritor que marginalizado com o Sistema Autoritário, alcança nos dias de hoje um espaço já consagrado. Entre os tópicos debatidos: Autoritarismo, o anti-intelectualismo, literatura brasileira, a experiência do escritor mais velho, o reconhecimento do mais novo, a questão dos direitos autorais, o atravessamento de obras, os efeitos didáticos como forma de esbulho a obra do escritor, além do papel do escritor e intelectual na sociedade, que definiu Humberto Eco: "Nós Criamos Crises". Rolou ainda no encontro a homenagem que a Academia Sul Mato-grossense de Letras fez ao Dr. Demósthenes Martins que, com 90, anos proferiu um discurso de grande poder erudito.
Houve também o lançamento do "Livro das Mães”, coletânea das mais belas páginas mundial sobre as mães, de autoria de Julio Moraes, da UBE-MS.
A seguir, ocorreu a surpreendente palestra do professor Hidelbrando Campestrini, "O Ofício do Escritor", que arrancou calorosos aplausos da platéia presente. O que se viu a seguir foi um debate entre os escritores mais novos e os considerados da velha guarda, e a conclusão: "A crítica demora a reconhecer os novíssimos e endeusa os consagrados".
O debate gerou dois blocos pois os escritores novos enfrentam para abrir espaço a seus trabalhos e a indiferença da crítica. Restou o conselho dos mais velhos: “É preciso espaços abertos aos novos valores".
A UBE é uma entidade que pode ajudar muito os escritores novos pois possui ramificações em todo o Brasil, além de um grande espaço em nosso estado.
(Matéria reproduzida da edição de 14 de maio de 1986 do jornal O Progresso)

Foto e texto: Reprodução do jornal O Progresso



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE